O Projeto

Cachoeira e São Félix carecem de guias turísticos, informações turísticas em placas, folhetos ou mesmo sites na Internet. Quando os turistas chegam, têm dificuldade de encontrar os locais mais significativos em termos históricos e culturais, além de uma fragilidade no uso de línguas estrangeiras por parte da população.

Para suprir a deficiência turística e tendo-se em vista a importância da região para o país e até mundialmente, já que é referência para muitos brasileiros e estrangeiros, busca-se desenvolver o projeto “Cibercidade: por uma cultura da participação no turismo em Cachoeira e São Félix”, coordenado pelos professores da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Rachel Severo Alves Neuberger e Cláudio Manoel Duarte, em parceria com as prefeituras dos municípios beneficiários, cuja ação principal resulta em um site contendo informações básicas sobre os lugares, acessíveis por meio de placas disponibilizadas nos principais pontos turísticos, se possível através de QR Code (Código de barras em 2D, acessível por dispositivos móveis) para facilitar o acesso.

Além de obterem dados sobre os lugares visitados, os turistas ainda poderão contribuir com o site enviando suas fotos e vídeos nos locais, suas impressões, etc.

Vale deixar claro que o projeto de extensão está intimamente ligado ao Grupo de Estudos e Práticas Laboratoriais em Plataformas Livres e Multimeios – LinkLivre. Além disso, está sendo desenvolvido como parte de um trabalho final para obtenção de certificado de um curso internacional no qual a Professora Rachel Neuberger foi selecionada em julho de 2011: REM 2.0 da Cultura Senda e RSD.

 

Etapas

Em um primeiro momento, foi feita a seleção de jovens estudantes de jornalismo da UFRB. Tem-se como base um grupo, a princípio, de dez estudantes para que se colete dados sobre lugares turísticos da cidade, que serão definidos coletivamente.

Em seguida, foi estabelecido um contato direto com as prefeituras de Cachoeira e São Félix a fim de que pudessem ser parceiros nas atividades, na impressão das placas e na negociação de fixação das placas nos lugares turísticos trabalhados.

Deu-se início, após estas duas primeiras etapas, a um processo de levantamento de dados (sobre o local, história, funcionamento, responsáveis, etc.) sobre os locais escolhidos. Importante, neste momento, pesquisar dados oficiais e aqueles que fazem parte do imaginário das pessoas.

Finalizado o processo de consulta e entrevistas, deu-se início à redação e edição de materiais para o presente site.

Na próxima etapa, será realizada a confecção de placas que serão fixadas nos locais turísticos a fim de facilitar o acesso dos turistas e da própria população às informações, que poderão ser comentadas, compartilhadas e enriquecidas com as contribuições das pessoas.

 

Próximos passos

  • Promover o lançamento dos site, com o apoio das prefeituras.
  • Realizar a divulgação do site nas redes sociais, sites oficiais da cidade, em eventos públicos e nas escolas municipais.
  • Facilitar o acesso ao site pela confecção das placas com o QR Code.
  • Ampliar o projeto com outros locais turísticos.
  • Promover ações de participação da comunidade e de turistas no site.
  • Sinalizar na entrada da cidade, por meio de uma placa, o projeto.
  • Fortalecer parceria com outros projetos, tais como mapeamento dos dois municípios e criação de vídeos sobre os principais locais.
  • Fazer parceria com alguma instituição para tradução do conteúdo principal em outras línguas.
  • Enriquecer o conteúdo com histórias de vida da população local, com áudio, textos e fotos.
  • Acompanhar as atividades desenvolvidas nos locais escolhidos a fim de se trabalhar as informações factuais no site www.ufrb.edu.br/reverso, webjornal laboratório do curso de Comunicação Social/Jornalismo da UFRB.


Social Widgets powered by AB-WebLog.com.