A PARTICIPAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES ESPORTIVAS NA MEDIAÇÃO DA COBERTURA JORNALÍSTICA DOS JOGOS PARALÍMPICOS DE 2016

Autores

  • Silvan Menezes dos Santos (UFMS) Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Josep Solves Almela Universidade CEU Cardenal Herrera (Valencia)
  • Doralice Lange de Souza (UFPR) Universidade Federal do Paraná

Resumo

A midiatização, a espetacularização e a mercadorização do esporte paraolímpico são processos em andamento e aprofundamento no século XXI. Inicialmente, o discurso midiático sobre esta manifestação esportiva recorreu ao sensacionalismo em torno das deficiências, sobrepondo a lógica da mídia à lógica do esporte. De uma maneira geral, esta é uma tendência do relacionamento entre a mídia e o esporte. Contudo, por meio do estabelecimento e desenvolvimento das assessorias de comunicação esportiva no interior das instituições gestoras do esporte, tem-se demandado uma busca por equilíbrio desta relação. No esporte paraolímpico, entidades gestoras têm produzido guias de orientações à mídia com o intuito de auxiliá-la na construção de um discurso que valorize a esportividade do atleta com deficiência. Neste sentido, diante da relevância social e midiática adquirida pelo esporte paraolímpico no Brasil com a realização dos Jogos Paralímpicos (JP) Rio 2016, o objetivo deste estudo foi compreender a participação das instituições esportivas paraolímpicas na mediação do processo de produção de notícias realizado por jornalistas esportivos brasileiros durante os JP de 2016. Esta pesquisa foi inspirada nos estudos de newsmaking e gatekeeping. Teve caráter descritivo e exploratório, com abordagem qualitativa dos dados. Entrevistamos 15 jornalistas e editores de diferentes grupos de mídia e jornais do país que cobriram o megaevento esportivo. A produção de conteúdo informativo, por parte das instituições esportivas por meio da permanente atualização dos seus sites e redes sociais, se configurou como forma potencial de garantir uma mínima qualidade e diversidade de informações sobre o fenômeno esportivo paraolímpico. Os serviços de fonte de informação institucional prestados para a produção de notícias sobre os JP apareceram como uma forma de contra tendência à sobreposição dos interesses midiáticos aos interesses esportivos. Entretanto, identificamos que, por vezes, as entidades paraolímpicas têm se configurado quase como editoras do conteúdo noticioso produzido, o que pode ser prejudicial para a veiculação de informações esclarecedoras e críticas acerca da manifestação esportiva.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BETTI, M. Janela de vidro: esporte, televisão e educação física. Campinas: Papirus, 1998.

BETTI, M. Esporte na mídia ou esporte da mídia? Motrivivência, Santa Catarina, n. 17, p. 1–3, 2001.

BITENCOURT, F. G. et al. O jornalismo esportivo no Jasc/2007: um olhar antropológico. In: PIRES, G. D. L. (Org.). Observatório da mídia esportiva: a cobertura jornalística dos jogos abertos de Santa Catarina. Florianópolis: Nova Letra, 2008. p. 59–74.

BORGES, F. V. Ao vivo direto da Rússia: a Copa do Mundo formatada para televisão. Fulia, Belo Horizonte, v. 3, n. 2, 2018.

BORGES, F. V. Os clubes de futebol e novas formas de produzir a informação desportiva. Mediapolis, Coimbra, n. 8, p. 119–133, 2019.

BOURDIEU, P. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

BRITISH PARALYMPIC ASSOCIATION. Guide to reporting on Paralympic Sport. Reino Unido: ParalympicsGB, 2012. Disponível em: http://paralympics.org.uk/uploads/documents/imported/ParalympicsGB_Guide_to_Rep orting_on_Paralympic_Sport_-_June_2012.pdf. Acesso em: 20 fev. 2018.

CEGALINI, V. L.; ROCCO JR, A. Comunicação corporativa e gerenciamento de reputação em organizações esportivas. Comunidade e Sociedade, São Bernardo do Campo, v. 41, n. 2, p. 85–117, 2019.

FIGUEIREDO, T. H. Gênero e deficiência – uma análise da cobertura fotográfica dos Jogos Paralímpicos de 2012. Estudos em jornalismo e mídia, Santa Catarina, v. 11, n. 2, p. 484–497, 2014.

FIGUEIREDO, T. H. A voz dos atletas: mídia e Jogos Paralímpicos no Brasil. Mediapolis, Coimbra, v. 8, p. 85–99, 2019.

FRANDSEN, K. Sports organizations in a new wave of mediatization. Communication and Sport, v. 4, n. 4, p. 385–400, jan. 2016.

GALATTI, L. R. et al. Esporte contemporâneo: perspectivas para a compreensão do fenômeno. Corpoconsciência, Cuiabá, v. 22, n. 3, p. 115–127, 2018.

GOLDEN, A. V. An analysis of the dissimilar coverage of the 2002 Olympics and Paralympics: Frenzied Pack Journalism versus the Empty Press Room. Disability Studies Quarterly, Columbus, v. 23, n. 3/4, p. 1689–1699, 2003.

GUMBRECHT, H. U. Elogio da beleza atlética. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GUMBRECHT, H. U. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto, 2010.

GURGEL, A. Desafios do jornalismo na era dos megaeventos esportivos. Motrivivência, Florianópolis, v. XXI, n. 32/33, p. 193–210, 2009.

HILGEMBERG, T. Do coitadinho ao super-heroi representação social dos atletas paraolímpicos na mídia brasileira e portuguesa. Ciberlegenda, Niterói, n. 30, p. 48–58, 2014.

HILGEMBERG, T. Smile for the camera: photographic analysis of 2012 Paralympic Games media coverage in Brazilian newspapers. Journal of Sport Science and Physical Education, n. 70, p. 13–21, 2016.

HOWE, P. D. From inside the newsroom: Paralympic Media and the ‘Production’ of Elite Disability. International Review for the Sociology of Sport, v. 43, n. 2, p. 135– 150, 2008.

INTERNATIONAL PARALYMPIC COMMITTEE. Guide to reporting on persons with an impairment. Bonn: International Paralympic Committee, 2014. Disponível em: https://www.paralympic.org/sites/default/files/document/141027103527844_2014_10_3 1+Guide+to+reporting+on+persons+with+an+impairment.pdf. Acesso em: 13 abr. 2020.

INTERNATIONAL PARALYMPIC COMMITTEE. Strategic plan 2015 to 2018: strategic outlook for the International Paralympic Committee. Bonn: IPC, 2015.

MARCHI JUNIOR, Wanderley. “Sacando” o voleibol: do amadorismo à espetacularização da modalidade no Brasil (1970-2000). 2001. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001. 267 p.

MARQUES, R. F. R. et al. A abordagem midiática sobre o esporte paralímpico: o ponto de vista de atletas brasileiros. Movimento, Porto Alegre, v. 20, n. 3, p. 989–1015, 2014.

MARQUES, R. F. R. et al. A abordagem mediática sobre o desporto paralímpico: perspectivas de atletas portugueses. Motricidade, Ribeira de Pena, v. 11, p. 123–147, 2015.

MARQUES, R. F. R. A contribuição dos Jogos Paralímpicos para a promoção da inclusão social: o discurso midiático como um obstáculo. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, n. 108, p. 87–96, 2016.

MARQUES, R. F. R.; GUTIERREZ, G. L. O esporte paralímpico no Brasil: profissionalismo, administração e classificação de atletas. São Paulo: Phorte, 2014.

MARQUES, R. F. R.; GUTIERREZ, G. L.; MONTAGNER, P. C. Novas configurações socioeconomicas do esporte na era da globalização. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 20, n. 4, p. 637–648, 2009.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

MEZZAROBA, C.; PIRES, G. D. L. Breve panorama histórico do voleibol: do seu surgimento à espetacularização esportiva. Atividade Física, Lazer & Qualidade de Vida: Revista de Educação Física, Manaus, v. 2, n. 2, p. 3–19, 2011.

MIRANDA, T. J. Comitê Paralímpico Brasileiro: 15 anos de história. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2011.

MOSTARO, F. F. R. Assessoria de imprensa de clubes x jornalismo esportivo: o reflexo das assessorias na cobertura esportiva. In: CONFERÊNCIA BRASILEIRA DOS ESTUDOS DA FOLKCOMUNICAÇÃO, 14., 2011, Juiz de Fora. Anais [...]. Rede Folkcom, 2011.

PAPPOUS, A. et al. La representación mediática del deporte adaptado a la discapacidad en los medios de comunicación. Ãgora para la EF y el Deporte, Valladolid, n. 9, p. 31–42, 2019.

PAPPOUS, A.; SOUZA, D. L. DE. Guia para a mídia: Como cobrir os Jogos Paralímpicos Rio 2016. Brasília: University of Kent / Universidade Federal do Paraná, 2016. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/305723994_Guia_para_Midia_Como_cobrir_ os_Jogos_Paralimpicos_Media_Guide_How_to_cover_the_Rio_2016_Paralympic_Ga mes. Acesso em: 13 abr. 2020.

PIRES, G. D. L. A Educação Física e o discurso midiático: abordagem críticoemancipatória. Ijuí: Unijuí, 2002.

POFFO, B. N. et al. Mídia e jogos paralímpicos no Brasil: investigando estigmas na cobertura jornalística da Folha de S. Paulo. Movimento, Porto Alegre, v. 23, n. 4, p. 1353–1366, 2017.

SANFELICE, G. R. Campo midiático e campo esportivo: suas relações e construções simbólicas. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 31, n. 2, p. 137– 153, mar. 2010.

SANTOS, S. M. Dos. Mídia, esporte e cultura esportiva: um ensaio com a teoria das mediações culturais de Jesús Martín-Barbero. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 8, n. 17, p. 175–190, 2015.

SANTOS, S. M. DOS et al. Mídia e jogos paralímpicos no Brasil: a cobertura da Folha de S.Paulo entre 1992 e 2016. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Porto Alegre, v. 41, n. 2, p. 190-197, 2019.

SANTOS, S. M. DOS; FERMINO, A. L. A identidade esportiva dos atletas com deficiência: um estudo da cobertura fotográfica no instagram do Comitê Paralímpico Brasileiro. Cadernos de Educação, Tecnologia e Sociedade (CETS), Inhuma, v. 9, n. 3, p. 319–336, 2016.

SANTOS, S. M. DOS; MEZZAROBA, C.; SOUZA, D. L. DE. Jornalismo esportivo e infotenimento: a (possível) sobreposição do entretenimento à informação no conteúdo jornalístico do esporte. Corpoconsciência, Cuiabá, v. 21, n. 2, p. 93–106, 2007.

SILVA, C. F.; HOWE, P. D. The (in)validity of supercrip representation of paralympian athletes. Journal of Sport & Social Issues, v. 36, n. 2, p. 174–194, 2012.

SOLVES, J. et al. Framing the Paralympic Games: A Mixed-Methods Analysis of Spanish Media Coverage of the Beijing 2008 and London 2012 Paralympic Games. Communication and Sport, v. 7, p. 729-751, out. 2018.

SPÀ, M. De M. Comunicación y deporte en la era digital: sinergias, contradicciones y responsabilidades educativas. Contratexto, Lima, v. 12, p. 73–92, 1999.

SPÀ, M. De M. Comunicación y deporte en la era digital. In: CONGRESO DE LA ASOCIACIÓN ESPAÑOLA DE INVESTIGACIÓN SOCIAL APLICADA AL DEPORTE (AEISAD), 9., 2007, Las Palmas de Gran Canaria. Anais [...]. Centre d’Estudis Olímpics UAB, 2007. Disponível em: http://olympicstudies.uab.es/pdf/wp107_spa.pdf. Acesso em: 20 fev. 2018.

WOLF, M. La investigación de la comunicación de masas: crítica y perspectivas. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica, 1987.

WOLTON, D. Informar não é comunicar. Porto Alegre: Sulina, 2011.

Downloads

Publicado

2020-05-25