HOMENAGEM A FLORESTAN FERNANDES – UMA SOCIOLOGIA DO IMPOSSÍVEL

Autores

  • Diogo Valença de Azevedo Costa UFRB

Resumo

No ano em que homenageamos o centenário de Florestan Fernandes, sem dúvida o maior sociólogo brasileiro e talvez uma das expressões máximas da teoria sociológica na América Latina, acredito que seria essencial nos questionarmos sobre os caminhos de sua obra se o Brasil tivesse seguido outros rumos históricos, que não o do exacerbamento da violência institucional contra o povo e as classes trabalhadoras representado pelo Golpe Militar de 1964, um golpe de classes da burguesia nacional aliada ao grande capital internacional e imperialista.

Referências

ANDRADE, Mário Pinto de. Origens do nacionalismo africano. Lisboa: Dom

Quixote, 1998.

CAMPOS, Antonia J. M.. Interfaces entre sociologia e processo social: a Integração do negro na sociedade de classes e a pesquisa Unesco em São Paulo. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Campinas, 2016.

FERNANDES, Florestan. Educação e sociedade no Brasil. São Paulo: Dominus, 1966.

______ Elementos de sociologia teórica. 2. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1974.

______ Ensaios de sociologia geral e aplicada. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 1976.

______ Apresentação. In: AZEVEDO, Licínio, RODRIGUES, Maria da Paz. Diário da libertação: a Guiné Bissau da nova África. São Paulo: Versus, 1977.

______ A natureza sociológica da sociologia. São Paulo: Ática, 1980a.

______ A sociologia no Brasil: contribuição para o estudo de sua formação e desenvolvimento. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1980b.

______ O que é revolução. São Paulo: Brasiliense, 1981.

______ A ditadura em questão. 2. ed. São Paulo: TAQ, 1982.

______ Nova República? 3. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

______ O folclore em questão. São Paulo: HUCITEC, 1989.

______ Entrevista concedida a Eliane Veras Soares. Brasília, 25 out. 1990.

______ Democracia e desenvolvimento: a transformação da periferia e o capitalismo monopolista da era atual. São Paulo: HUCITEC, 1994.

______ A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. In: SANTIAGO, Silviano (coord.). Intérpretes do Brasil. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2000.

______ A integração do negro na sociedade de classes. 5. ed. São Paulo: Globo, 2008. v. 1

______ Brasil: em compasso de espera. Rio de Janeiro: UFRJ, 2011.

MILLS, C. Wright. The sociological imagination. New York: Oxford University Press,

OLIVEIRA, Maybel Sulamita. O Teatro Experimental do Negro em meio Ã

militância e à intelectualidade: eventos programáticos realizados entre 1945 e 1950. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Rio de Janeiro, 2018.

PEIRANO, Mariza. A antropologia esquecida de Florestan Fernandes: os Tupinambá. Anuário Antropológico, 82, p. 15-49, 1984.

SANTOS, Natália Neris da Silva. A voz e a palavra do movimento negro na

Assembleia Nacional Constituinte (1987/1988): um estudo das demandas por direitos. Dissertação (Mestrado em Direito) – Fundação Getúlio Vargas. São Paulo, 2015.

SILVA, Mário Augusto Medeiros da. Outra ponte sobre o Atlântico Sul: descolonização africana e alianças político-intelectuais em São Paulo nos anos 1960. Análise Social, Lisboa, v. 52, p. 804-826, 2017.

Órbitas sincrônicas: sociólogos e intelectuais negros em São Paulo, anos 1950- 1970. Revista Sociologia e Antropologia, v. 8, p. 109-131, 2018.

SILVEIRA, Heloísa Fernandes. Chaves do exílio e portas da esperança. Pulsional. Ano XIX, n. 185, mar., 2006.

Downloads

Publicado

2020-11-29