Charuto Baiano pode ganhar registro de qualidade internacional

Gabriela Nascimento
Reunião na CDL Cruz das Almas difine as tarefas para o pedido do registro
Reunião na CDL Cruz das Almas define as tarefas para o pedido do registro
O Sinditabaco (Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco), que representa as empresas tabagistas afiliadas,  deu inicio ao processo de registro e de obtenção do selo de qualidade para o charuto produzido no Recôncavo da Bahia, por meio da Indicação Geográfica(IG) e da Denominação de Origem (DO).  No período de  03 a 05 de fevereiro, os empresários receberam  orientaçoes  de entidades oficiais, com o objetivo de obter o  registro.  A  IG e a DO é um registro dado a produtos de uma determinada região,  protegendo a originalidade do produto que possui características de solo, clima, culturais e históricas que o torna único e pertencente apenas aquele lugar.
Depois de visitar  fábricas de charutos  e de manter contato com produtores, os consultores dos órgãos públicos promoveram, no dia 05 de fevereiro,  uma reunião, realizada no CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) de Cruz das Almas, que contou com a presença de representantes do município, do Sinditabaco e  proprietários das fábricas.  O intuito foi elencar e dividir tarefas para a construção do documento do pedido do registro. Participaram da reunião os consultores do INPC (Instituto Nacional de Patrimônio Cultural), do SEBRAE (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e do MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).
Edilberto Gargur, mestre em análise regional e um dos orientadores, falou da importância da reunião para o processo: “Começamos uma oficina para a construção de um plano de ação,  com elaboração de atividades,  tarefas, responsabilidades e compromisso de cada um dos atores.  O passo seguinte fica agora com o pessoal  do território levar adiante. “
Renato Madeiro,  vice presidente de empresas de charuto, afirmou que acredita no potencial dos negócios,  principalmente no que diz respeito à exportação com o ganho do registro. Por sua vez, Marcos Augusto,  diretor executivo do Sinditabaco, destacou o significado da DO para o setor, esclarecendo que  “a Denominação de Origem é uma importante ferramenta de promoção internacional para o charuto baiano,  porque será  a consolidação de um já importante produto.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *