Primeiro emprego preocupa os jovens de Cachoeira

Laerte Santana

 

Oportunidade de trabalho é o que falta para muitos moradores de Cachoeira. Na cidade, o comércio local é limitado e as empresas que predominam a região são de caráter familiar, o que dificulta ainda mais a chance de conseguir um bom emprego. Especialmente para os jovens que querem se inserir no mercado de trabalho.

Para o estudante Anderson Costa, de 22 anos, “conquistar o primeiro emprego e ter a carteira (de trabalho) assinada”, são sonhos da maioria dos jovens recém-formados. Após a conclusão do ensino médio, a busca incessante por uma vaga de emprego é comum entre os jovens cachoeiranos e de todo Brasil”.

Segundo o IBGE, a virada do ano é um período em que o desemprego costuma ser maior.
Segundo o IBGE, a virada do ano é um período em que o desemprego costuma ser maior. Foto: Laerte Santana.

Segundo ele, grande parte da juventude encontra dificuldades para conseguir uma inserção no mercado de trabalho. A precariedade na admissão de novos empregados é marcada por inexperiência ou pela falta de qualificação, o que torna inviável a construção da carreira profissional.

Com apenas 16 anos e concluinte do ensino médio, Diana Santos, que sonha em cursar direito, revelou que são poucas as oportunidades para os jovens e que até mesmo para os graduados não existe na cidade trabalhos apropriados. São poucas as variedades de emprego. “O comércio se resume em supermercado, loja de roupas e calçados. E como não ganham muito, algumas pessoas acaba indo embora daqui”, afirmou.

Intermediação

O Sistema Nacional de Emprego (SINE) tem como propósito promover a inserção do maior número possível de trabalhadores no mercado assim como outros serviços. Em Cachoeira, Ana Paula Pinho, coordenadora do Sinebahia, contou que apesar da unidade oferecer intermediação de trabalho entre empregadores e candidatos, ainda são poucas as vagas oferecidas. Os serviços disponíveis são: intermediação de mão de obra, qualificação profissional, seguro-desemprego, emissão de carteira de trabalho e de identidade. Com horários de funcionamento das 8 às 14 horas, de segunda a sexta-feira.

Ouça a declaração de Ana Paula Pinho explicando como funciona o processo de intermediação do candidato e empregador e quais os documentos necessários para inscrição do cadastro de vagas:

Voz do entrevistador: Uilson Campos

Um comentário sobre “Primeiro emprego preocupa os jovens de Cachoeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *