O uso do celular causa problemas nas escolas de Feira de Santana

Jaqueline Santos

Estudantes utilizando o celular na área externa da escola. Foto: Jaqueline Santos
Estudantes utilizando o celular na área externa da escola.
Foto: Jaqueline Santos

 

O Colégio Estadual General Sampaio, em Feira de Santana(BA),  proíbe o uso dos aparelhos celulares dentro da sala de aula. É uma norma imposta pela própria escola, pois acreditam que o uso indevido prejudica no desenvolvimento pedagógico do aluno. Segundo a professora de língua portuguesa Maria de Lourdes, o uso não é liberado, porém muitos não obedecem e insistem em usar durante a aula, pois não querem se separar um instante dos aparelhos.

Com os  alunos dessa instituição, observa-se uma grande disposição para utilização do uso dos computadores, celulares e as específicas funções que esses aparelhos dispõem. Os alunos as reconhecem e as utilizam de maneira simultânea. “Acredito que o celular ajuda em muita coisa, principalmente nos estudos, já que possuem ferramentas que facilitam algumas atividades. É necessário saber usar a tecnologia a seu favor, por isso discordo de usar o celular na sala para navegar nas redes sociais, pois realmente tende a atrapalhar”, disse o estudante do terceiro ano do ensino médio Roney Gomes Marques.

Enquanto a escola não libera o uso desses aparelhos, eles a invadem, podendo inclusive comprometer as atividades de ensino e aprendizagem. “No meu ponto de vista, as pessoas usando o celular dentro da sala de aula incomoda os professores, como também o restante dos alunos, já que seu uso tira a concentração. Eu uso nos intervalos e fora da sala, mas já aconteceu um caso de um colega desobedecer e ser encaminhado a direção”, relatou a  aluna do segundo ano do ensino médio Moyzellen Santana Silva.

A estudante Moyzellen Santana à esquerda. Foto: Jaqueline Santos.
A estudante Moyzellen Santana à esquerda.
Foto: Jaqueline Santos.

Cada aluno tende a reagir de uma maneira em relação a regra da instituição, alguns realmente obedecem e procuram se desprender do uso do aparelho fora e dentro da sala de aula. O estudante do sétimo ano Vitor Miguel disse: “não trago o celular para escola, tenho medo dos roubos. Nos intervalos costumo me distrair jogando bola ou brincando de dama com os colegas, muitas vezes é mais divertido do que ficar no celular”.

Alunos se distraindo com o jogo de damas. Foto: Jaqueline Santos.
Alunos se distraindo com o jogo de damas.
Foto: Jaqueline Santos.

Um fator de alerta é o frequente furtos dos aparelhos, fora e dentro do âmbito escolar, situação preocupante para os responsáveis dos alunos e a própria instituição escolar, já que foge a responsabilidade da escola apurar, pois uma vez proibido e alertado o uso, ela não tem compromisso com as perdas de objeto por ela não utilizados. “Recomendamos não trazer celular para a escola, também por questões de segurança, já que diariamente acontecem roubos no trajeto para escola“, acrescentou a professora, Maria de Lourdes.

A cada dia, os jovens estão ainda mais ligados ao aparelho de celular. Foto: Jaqueline Santos
A cada dia, os jovens estão ainda mais ligados ao aparelho celular.
Foto: Jaqueline Santos

Acompanhe um trecho da entrevista com o aluno do terceiro ano , Roney Gomes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *