A noção de opinião falsa à luz de uma interpretação do não-ser: um problema entre o Teeteto e o Sofista de Platão

Palavras-chave: Epistemologia; Ontologia;.Falsidade; Não-ser; Autocrítica.

Resumo

Embora o Teeteto nos coloque num cenário interpretativo completamente à parte da teoria das Formas, não nos é permitido admitir seu total esquecimento. Conceitos como ‘racionalidade’ contraposto à percepção sensível, e a ‘imprescindibilidade do logos’ enquanto discurso que perfaz o conhecimento verdadeiro, são extremamente caros ao Teeteto. Desconsiderar a pertinência e a similaridade do significado destes conceitos desde a maturidade até à velhice, colocar-nos-ia em situação de grande dificuldade explicativa acerca do conhecimento. Assim, é importante destacar que optamos por uma perspectiva intermediária, que por um lado reconhece a ausência de uma argumentação calcada na clássica teoria das Ideias, mas que compreende a obra platônica sob a tutela de uma interpretação sistemática e holística, segundo a qual Platão não abandona os pressupostos metafísicos das Formas inteligíveis. Longe de uma ruptura com o que foi dito anteriormente na maturidade, o Teeteto serve como complementação teórica acerca da ontologia e da epistemologia, embora no Teeteto não haja uma menção direta às noções presentes nos diálogos anteriores e boa parte do tema se apresente por meio de estilo de escrita e vocabulário inusitados. Por fim, mas não menos importante, será feita uma breve análise de alguns trechos dos momentos finais do Sofista com o objetivo de compreender em que medida o aspecto epistemológico, proposto por Platão no Teeteto, pode ser lido à luz de questões relacionadas ao Ser e ao Não-ser, já que a pergunta pelo ‘o que é conhecimento’ nos remete também a uma discussão ontológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aurelio Oliveira Marques, Universidade de Brasília (UnB)

Doutorando em Filosofia na Universidade de Brasília (UnB), Brasília – DF, Brasil.

Referências

BENSON, Hugh, H. Platão. Trad. Marco Antonio de Ávila Zingano. Porto Alegre: Artmed, 2011.

BOCAYUVA, Izabela. “Entre o Parmênides e o Sofista de Platão”. Revista Anais de Filosofia

Clássica, Vol. 8 Nº 16, 2014. pp. 62-72.

BOERI, M. D. Sensopercepción y estados afectivos. Sobre el valor de la aisthesis en la explicaciónplatónica del conocimiento. In: SANTOS, J. T. (Org). Do Saber ao Conhecimento Estudos sobre o Teeteto. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2005.

BORGES, Anderson de Paula. Razão e sensação no Teeteto de Platão. 2009. Tese (Doutorado em Filosofia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. doi:10.11606/T.8.2009.tde-22032010-121526. Acesso em: 2018-02-02.

BRISSON, Luc e PRADEAU, Jean François. Vocabulário de Platão. Trad. Claudia Berliner. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

BURNYEAT, M .F. Introduction au Théétète de Platon. Edição francesa traduzida por Michel Narcy. Paris: PUF 1998.

BURNYEAT, M .F. The Theaetetus of Plato. Cambridge: Hackett Publishing Company, 1990.

CAMPBELL, Lewis. The Theaetetus of Plato. Oxford: Oxford University Press, 1861.

CASERTANO, Giovanni. O lugar e o significado do Teeteto na obra platônica. In: SANTOS, José Trindade (Org). Do Saber ao Conhecimento – Estudos sobre o Teeteto. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2005.

CHAPPELL, T. Reading Plato’s Theaetetus. Cambridge: Hackett Publishing Company, 2004.

COPLESTON. Frederick Charles, A history of philosophy. Vol I: Greence and Rome. New York. Ed.: Image Books, Doubleday, 1993.

CORNELLI, Gabriele; LOPES, Rodolfo. Platão. São Paulo; Portugal: Imprensa da Universidade de Coimbra, 1ª edição, 2018. Vários autores.

CORNFORD, F. M. Plato’s Theory of Knowledge. London: Routledge, 1935.

CROMBIE, Ian. M. Analisis de las Doctrinas de Platon. Trad. A. Torón e Júlio C. Armero. Madrid: Alianza, 1988.

EL MURR, D. (Org.). La mesure du savoir. Études sur le Théétète de Platon. Paris, Vrin, 2013.

FILHO, Francisco de Assis V.C. O problema do não-ser no Sofista de Platão. Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2008.

FERRARI, Franco. “Teoria das Ideias”. In: Platão. Organizado por Gabriele Cornelli e Rodolfo Lopes. São Paulo; Portugal: Imprensa da Universidade de Coimbra, 1ª edição, 2018. Vários autores. pp. 213-228.

FRONTEROTTA, Francesco.. La Teoria Platonica delle Idee e la Partecipazione delle Cose Empiriche: dai Dialoghi Giovanili al Parmenide. Pisa: Scuola Normale Superiore, 2001.

HAMELIN, Guy. A natureza da virtude como saber em Platão. Journal of Ancient Philosophy, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 99-107, 2017. Unicamp, 11 (2), 2004.

LAFRANCE, Y. La théorie platonicienne de la doxa. Collection d'Etudes Anciennes. Coll. Noesis. Montréal/Paris: Les Belles Lettres / Bellarmin, 1981.

LAFRANCE, Y. “Le Platon de Gilbert Ryle”. In: Revue Philosophique de Louvain. Quatrième série, tome 69, n°3, 1971. pp. 337-369

LALANDE, André. Vocabulário Técnico e Crítico da Filosofia. Trad. Fátima Sá Corrêa et alli. São Paulo: Ed.: Martins Fontes, 1999.

LOPES, Rodolfo. “Ordenação dos Diálogos”. In: Platão. Organizado por Gabriele Cornelli e Rodolfo Lopes. São Paulo; Portugal: Imprensa da Universidade de Coimbra, 1ª edição, 2018. Vários autores. pp.79-99.

PLATÃO. Sophistes. Coleção os pensadores. Tradução de José Cavalcante de Sousa, Jorge Paleikat e João Cruz Costa. Editora Abril Cultural, 3ª edição. São Paulo, 1983. p. 185-186

PLATÃO. Theaetetus. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Editora UFPA, 3ª edição revisada. Belém - Pará, 2001.

ROSS, David. Plato’s Theory of Ideas. Ed. Oxford University Press. London, 1966.

RYLE, Gilbert. Plato’s progress. Published by Cambridge University Press, 1966.

SANTOS, José Trindade. “Do saber ao conhecimento: O programa da epistemologia platônica”. Revista Hypnos, São Paulo, v. 38, 1º sem., 2017, p. 1-19.

SANTOS, José Trindade. “Linguagem”. In: Platão. Organizado por Gabriele Cornelli e Rodolfo Lopes. São Paulo; Portugal: Imprensa da Universidade de Coimbra, 1ª edição, 2018. Vários autores. pp.153-166.

SANTOS, José Trindade. “Introdução”. In: PLATÃO. Teeteto. Trad. Nogueira, A. M. e Boeri, M. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 3ª Edição, 2010.

SAUNDERS Trevor J. “Ryle (Gilbert): Plato's Progress”. In: Revue belge de philologie et d'histoire, tome 45, fasc. 2, 1967. Histoire (depuis l'Antiquité) — Geschiedenis (sedert de Ottdhéid) pp. 494-497.

SEDLEY, David. The Midwife of Platonism. Oxford: University Press, 2002.

SÉGUY-DUCLOT, A. Dialogue sur le Théétète de Platon. Paris, Belin, 2008.

SOARES, MÁRCIO. Construção e crítica da teoria das ideias na filosofia de Platão: dos diálogos intermediários à primeira parte do Parmênides. Porto Alegre: Editora PUCRS, 2010.

STERN, P. Knowledge and Politics in Plato’s Theaetetus. New York, CUP, 2008.

TRABATTONI, F. “Logos e doxa: o significado da refutação da terceira definição de episteme”. In: SANTOS, J. T. (Org). Do Saber ao Conhecimento – Estudos sobre o Teeteto. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2005.

UNTERSTEINER, M. Les sophistes. Seconde édition, trad. fr. A. Tordesillas. Paris: Vrin, 1993.

ZENI, Eleandro Luis. Conhecimento e Linguagem: Um Estudo do Teeteto de Platão. Ed. UFSM. Rio Grande Do Sul (RS), 2012.

Publicado
2019-06-13
Como Citar
MARQUES, A. A noção de opinião falsa à luz de uma interpretação do não-ser: um problema entre o Teeteto e o Sofista de Platão. Griot : Revista de Filosofia, v. 19, n. 2, p. 122-134, 13 jun. 2019.
Seção
Artigos