A afirmação da finitude como possibilidade para a responsabilização do desejo: notas a partir de Heidegger e Lacan

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v19i1.1162

Palavras-chave:

Angústia; Desejo; Morte; Heidegger; Lacan.

Resumo

O propósito deste artigo é o de evidenciar de que forma a afirmação de ser ser-para-a-morte de Heidegger pode ser entendido como condição de possibilidade para a responsabilização do desejo conforme formulado pela psicanálise lacaniana. Primeiro, descreve-se a estrutura do Dasein heideggeriano, bem como seus existenciais. Em seguida, analisa-se o uso e o sentido da noção de desejo em Lacan.  Tanto numa existência autêntica, quanto num final de análise, onde o sujeito sabe lidar com suas perdas, diante da angústia, ele assume um papel de protagonista de sua existência e consegue se responsabilizar pelo seu desejo. A análise, nesse sentido, serve como uma ferramenta que possibilita o sujeito lidar com este sofrimento decorrente da falta, deste nada que falou Heidegger. Evidentemente que a análise não objetiva eliminar esta falta ontológica, mas tão somente desconstruir os fantasmas que o sujeito construiu para afastar o que lhe é mais próprio, constitutivo de sua estrutura ontológica, qual seja, sua finitude. Portanto, tanto para Heidegger, por meio da afirmação da angústia frente à morte, quanto para Lacan, onde o sujeito assumiu a tragédia de sua existência – no final de análise –, é a afirmação da finitude que possibilita a responsabilização do desejo, de ser autêntico ou, se preferir, sujeito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato dos Santos, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR); Universidade de Coimbra (UC)

Doutorando em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Curitiba – PR, Brasil,  e pela Universidade de Coimbra (UC), Coimbra, Portugal.

Juliana Rodrigues Dalbosco, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Pós-Graduanda em Psicanálise Clínica na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Curitiba – PR, Brasil.

Referências

FORBES, Jorge. A angústia. Palestra apresentada ao “Simpósio sobre Ansiedade e Benzodiazepínicos”, promovido pelo Departamento de Neuropsiquiatria da Faculdade de Medicina da universidade de São Paulo, em 12 de abril de 1985. Disponível em: <http://www.jorgeforbes.com.br/br/artigos/a-angustia.html>. Acesso em: 05 de setembro de 2018.

FREUD, Sigmund (1930-1936). O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2010.

HEIDEGGER, Martin. Que é metafísica? In: Conferências e escritos filosóficos. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

HEIDEGGER, Martin . Ser e tempo. Campinas: Unicamp; Petrópolis: Vozes, 2012.

KUSS, Ana S. S. Amor, desejo e psicanálise. Curitiba: Juruá, 2015.

LACAN, Jacques (1954-1955) O Seminário, livro 2: o eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise/Jacques Lacan; texto estabelecido por Jacques-Alain Miller; versão brasileira Marie Christine Lasnik Penot; com a colaboração de Antônio Luiz Quinet de Andrade, - Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

LACAN, Jacques (1958-1959) O Seminário, livro 6: o desejo e sua interpretação/Jacques Lacan; texto estabelecido por Jacques-Alain Miller, versão brasileira Cláudia Berliner. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

LACAN, Jacques (1901-1981) O Seminário, livro 7: a ética da psicanálise/Jacques Lacan; texto estabelecido por Jacques-Alain Miller; versão brasileira Antonio Quinet. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

LACAN, Jacques (1901 -1989) O Seminário, livro 10: a angústia/Jacques Lacan; texto estabelecido por Jacques-Alain Miller; versão final Angelina Harari e preparação de texto André Telles; tradução Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

LACAN, Jacques (1901 -1981) O Seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (1964) /Jacques Lacan; texto estabelecido por Jacques-Alain Miller; tradução M.D. Magno. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

LUSTOZA, Rosane Zétola. A angústia como sinal do desejo do Outro. Revista Mal-Estar e Subjetividade, Fortaleza Vol.6 n. 1, p. 44–66, Março, 2006.

MILLER, Jacques-Alain. Lacan elucidado: palestras no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

SANTOS, Renato dos; MOHR, Allan Martins. A (de)vida angústia de morte: considerações a partir da filosofia e da psicanálise. Natureza Humana (online), v. 20, p. 169-187, 2018.

SANTOS, Renato dos. Angústia, morte e finitude em Heidegger e Sartre. In: MOHR, Allan Martins; IÓRIO, Luiz Fernando Duran. (Org.). Átropos: escritos sobre morte, vida e pulsão. Curitiba: CRV, 2018. p. 71-87.

Downloads

Publicado

2019-02-28

Como Citar

SANTOS, R. dos; DALBOSCO, J. R. A afirmação da finitude como possibilidade para a responsabilização do desejo: notas a partir de Heidegger e Lacan. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 19, n. 1, p. 215-225, 2019. DOI: 10.31977/grirfi.v19i1.1162. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/1162. Acesso em: 13 ago. 2020.

Edição

Seção

Artigos