A política no fim da idade média e sua influência no renascimento: entre o “De regno – ad regem cypri”, de São Tomás, e “Il principe”, de Maquiavel

Palavras-chave: São Tomás; Maquiavel; Política Renascentista; Bem comum.

Resumo

O presente artigo pretende esboçar um paralelo entre duas obras da filosofia política: o opúsculo inacabado “Do reino ou do governo dos príncipes ao Rei de Chipre” de São Tomás de Aquino, e o conhecido “O Príncipe” de Nicolau Maquiavel. O cotejo dos textos permite aproximações diretas entre dois momentos filosóficos distantes através da temática similar, pelo tratamento filosófico da tradição clássica, e pela sutileza do argumento que relaciona o bem comum com o privado, nas relações políticas. A análise divide-se em duas partes temáticas: a definição de governante, e, as características de seu ofício. Em Tomás, articula-se a influência da política aristotélica com o modo como a finalidade privada do governante se estabelece numa hierarquia dos fins, justificadora do governo e direcionada ao bem comum. Em Maquiavel se observa uma recepção diferente do pensamento antigo, ligado à retórica romana, e uma hierarquia própria dos fins, que se direciona, de modo semelhante ao tomasiano, para o bem comum, mas com um tratamento diferente quanto a como esse bem público se relaciona com o bem privado, tanto do governante, quanto do povo que lhe é sujeito. Desta comparação conclui-se por uma necessidade de estabelecer a complexidade da filosofia política na passagem da idade média para o renascimento que afaste a ideia de uma ruptura total, e permita entender como a idade moderna partilha, em continuidade, elementos medievais e os desenvolve muito mais do que os abandona.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Arlindo Aguiar, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Doutor em Filosofia. Professor da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Campina Grande – PB, Brasil.

Referências

AQUINO, São Tomás de. Do reino ou do governo dos príncipes ao Rei de Chipre. In.: Escritos Políticos. Petrópolis: Vozes, 1995.

ARISTOTELES. Politics. In.: The complete works of Aristotle. Edited by Jonathan Barnes. Princeton: Princeton University Press, 1995.

ARISTOTELES. Nicomachean ethics. In.: The complete works of Aristotle. Edited by Jonathan Barnes. Princeton: Princeton University Press, 1995.

BIGNOTTO, Newton. Maquiavel republicano. São Paulo: Loyola, 1991.

COSTA, Marcos Roberto Nunes; PATRIOTA, Raimundo Antônio Marinho. Origens medievais do estado moderno: Contribuições da filosofia política medieval para construção do conceito de soberania popular na modernidade. Recife: INSAF, 2004.

DE BONI, Luís Alberto. Tomás de Aquino entre a urbe e o orbe: o pensamento político de Santo Tomás no De Regno. In.: A ética medieval face aos desafios da contemporaneidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

LIMA, José Jivaldo. Da política à ética: o itinerário de Santo Tomás de Aquino. Tese de doutorado. Orientação do prof. Dr. Luís Alberto De Boni. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica, Rio Grande do Sul. 2005

MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe. São Paulo: Editora 34, 2017.

MAQUIAVEL, Nicolau. O Prícipe: com notas de Napoleão Bonaparte. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

MAQUIAVEL, Nicolau. Comentários sobre a primeira década de Tito Lívio. Brasília: Universidade de Brasília, 1994.

STRAUSS, Leo. Reflexões sobre Maquiavel. São Paulo: É realizações, 2015.

Publicado
2019-06-13
Como Citar
AGUIAR, J. A política no fim da idade média e sua influência no renascimento: entre o “De regno – ad regem cypri”, de São Tomás, e “Il principe”, de Maquiavel. Griot : Revista de Filosofia, v. 19, n. 2, p. 265-283, 13 jun. 2019.
Seção
Artigos