Jônios e itálicos: antagonismo nos primórdios da filosofia grega

Palavras-chave: Jônicos; Materialismo; Itálicos; Idealismo; Atomismo; História da filosofia.

Resumo

O tema deste artigo é o antagonismo entre duas “escolas” filosóficas que se desenvolveram a partir de princípios opostos: as “escolas” jônica e a itálica. Aquela desenvolveu-se desde Tales em Mileto, passando por Anaximandro, Anaxímenes, Heráclito, Leucipo, Demócrito, Epicuro..., cuja filosofia se denomina materialista A segunda, de Parmênides, Zenão... até, principalmente, Sócrates, Platão e Aristóteles, cuja filosofia se chama idealista. O proposto é um esquema de releitura dessa história e uma problematização mínima das suas consequências. Verifica-se que desde a Antiguidade os filósofos reconheciam a existência desse antagonismo e conscientemente opunham-se entre si, numa luta cuja vitória, a história o conta, foi dos idealistas. Não se trata de um estudo exaustivo de cada um desses filósofos, mas apenas alguns, aqueles por mim considerados mais exemplares da época dos primórdios da filosofia grega. Ressalta-se, ainda, que esse antagonismo vem sendo recorrentemente negligenciado nos manuais de história da filosofia. Como o único meio para mostrar isso é o de evidenciar a incoerência dos manuais a partir dos próprios textos e testemunhos desses filósofos, o leitor encontrará, com maior ênfase, uma análise do desenvolvimento do atomismo em Leucipo a partir da filosofia de Anaxímenes, ao contrário da afirmação costumeira de que o atomismo se originou da doutrina do Ser de Parmênides.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Estrela Canto, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro – RJ, Brasil. Professor Adjunto da Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém – PA, Brasil.

Referências

BLOCH, Olivier. O materialismo. Lisboa: Publicações Europa-América, 1985.

BURNET, John. A aurora da filosofia grega. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2006.

CHÂTELET, François (Org.). História da filosofia: Ideias e doutrinas, volume 3, A filosofia do Novo Mundo. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1974.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 2015.

LAÊRTIOS, Diôgenes. Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1988.

LEUCIPO. Fragmentos. In: Os pré-socráticos. São Paulo: Abril Cultural, 1978 (coleção Os Pensadores).

DEMÓCRITO. Fragmentos. In: Os pré-socráticos. São Paulo: Abril Cultural, 1978 (coleção Os Pensadores).

LENIN, Vladimir. As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo. São Paulo: Global Editora, 1988.

NASCIMENTO, Rodrigo Vidal do. O corpo no pensamento de Epicuro: limites e possibilidades. 2011. 154 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

REALE, Giovanni. História da filosofia antiga, vol. I. São Paulo: Loyola, 1993.

SPINOZA, Benedictus de. Obra completa II: correspondência completa e vida. São Paulo: Perspectiva, 2014.

Publicado
2019-06-13
Como Citar
CANTO, R. Jônios e itálicos: antagonismo nos primórdios da filosofia grega. Griot : Revista de Filosofia, v. 19, n. 2, p. 311-329, 13 jun. 2019.
Seção
Artigos