A arte como expressão da vida como vontade de poder em Friedrich Nietzsche

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v20i2.1726

Palavras-chave:

Friedrich Nietzsche; Arte; Vontade de Poder.

Resumo

O presente artigo pretende investigar a arte como um emblemático exemplo da vida como vontade de poder, segundo a perspectiva de Friedrich Nietzsche. Segundo Nietzsche a vida é um constante criar e recriar sem uma teleologia pré-definida. É justamente por este aspecto que a arte expressa de forma mais transparente o que a vida é, pois, a arte é justamente o processo de criação e recriação sem uma finalidade para além da própria criação. A arte na perspectiva do artista está sempre inconclusa e por isso ele não cessa de criar, é como se o artista de alguma maneira captasse o que a vida é, e revelasse isso em sua arte e no processo de criação. A arte além de ser como tudo o mais, movida pela vontade de poder, na medida em que ela mesma é uma pulsão pelo constante criar, revela de forma muito peculiar o pathos que é a vida como vontade de poder que sempre supera a si mesma. Portanto, o verdadeiro artista ao perceber contra a corrente do mundo a forma como conteúdo e o conteúdo como forma, percebe o mundo invertido, e essa inversão no olhar o possibilita brincar com a vida, criando e transformando o atual em novo. Além disso, na medida em que os valores contrapostos pelo artista são uma mentira necessária para suportar a existência, em sua inversão da realidade encontra a verdadeira realidade em suas inúmeras realidades criadas. Os valores criticados exemplificados pela ação do artista é a concepção de verdade inaugurada pelo Socratismo e Platonismo, que de certa forma é fundamentada em uma espécie de divinização da racionalidade em detrimento do pathos. Nosso filósofo em explícita inversão do Platonismo afirma que a verdade racional-conceitual-metafísica tem menos valor que a irracionalidade do pathos artístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Evangelista Brandão, Instituto Federal de Pernambuco (IFPE)

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife – PE, Brasil. Professor de Filosofia do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), Caruaru – PE, Brasil.

Referências

AGOSTINHO, Santo. O espírito e a letra. Trad. de Agustinho Belmonte. São Paula: Paulus, 1998.

AGOSTINHO, Santo. Trindade. Trad. de Arnaldo do Espírito Santo; Lucas Dias; João Beato. São Paulo: Paulinas, 2007.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Trad. de Leonel Vallandro. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

MOLINARO, Aniceto. Léxico de metafísica. Trad. de Benôni Lemos. São Paulo: Paulus, 2000.

MORA, José Ferrater. Dicionário de filosofia. Trad. de Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Loyola, 2001.

MOURA, Carlos Alberto de. Nietzsche: Civilização e cultura. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Trad. de Mário da Silva. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Além do bem e do mal: prelúdio de uma filosofia do futuro. Trad. de Márcio Pegliesi. Curitiba: Hemus Livraria, 2001.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. A vontade de poder. Trad. de Marcos Sinésio Pereira Fernandes; Francisco José Dias de Moraes. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. A origem da tragédia: proveniente do espírito da música. Trad. de Erwin Theodor. São Paulo: Ebooksbrasil, 2006.

PLATÃO. A república. Trad. de Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007.

PLATÃO. Protágoras. Trad. de Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2007.

REALE, Giovanni. História da filosofia antiga. Trad. de Henrique Cláudio de Lima Vaz. São Paulo: Loyola, 1993.

REALE, Giovanni. História da filosofia antiga. Trad. de Henrique Cláudio de Lima Vaz. São Paulo: Loyola, 1994.

THEODOR, Erwin. Prefácio. In: NIETZSCHE, Friedrich. A origem da tragédia: proveniente do espírito da música. São Paulo: Ebooksbrasil, 2006.

Downloads

Publicado

2020-06-12

Como Citar

BRANDÃO, R. E. A arte como expressão da vida como vontade de poder em Friedrich Nietzsche. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 20, n. 2, p. 190-201, 2020. DOI: 10.31977/grirfi.v20i2.1726. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/1726. Acesso em: 15 ago. 2020.

Edição

Seção

Artigos