Pensar a melancolia: dos humores de Hipócrates ao pessimismo revolucionário de Walter Benjamin

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v20i2.1734

Palavras-chave:

Walter Benjamin; Melancolia; Pessimismo; Revolução.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar o aspecto revolucionário do pessimismo e da melancolia de Walter Benjamin. Para tanto, realizamos um resgate histórico do conceito de melancolia, desde a teoria hipocrática dos humores, passando pelo "Problema XXX" de Aristóteles, até "Luto e Melancolia", de Freud. Em seguida, realizamos uma exposição de um excerto da obra "Origem do drama trágico alemão", onde Walter Benjamin apresenta uma breve análise da noção de melancolia no período Barroco, sobre o qual seu texto se detém. Finalmente, analisamos o ensaio "O surrealismo: o último instantâneo da inteligência europeia", de autoria de Walter Benjamin, onde cremos estar presente a gênese dos elementos que virão a ser a base do entendimento do autor sobre a melancolia, fundamentalmente a ideia de uma necessária organização do pessimismo, visando à revolução. Ao distanciar-se das noções sobre o sentimento melancólico previamente concebidas, Walter Benjamin inaugura uma nova visão sobre a melancolia, não mais apática, mas ativa e revolucionária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Lentino Messerschmidt, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Doutorando em Filosofia na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre – RS, Brasil.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estâncias: a palavra e o fantasma na cultura ocidental. Trad. Selvino José Assmann. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

ARISTÓTELES. El hombre de genio y la melancolía. Trad. Jackie Pigeaud. Barcelona: Quaderns Crema, 1996.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama barroco alemão. Trad. Sergio Paulo Rouanet. Brasiliense: São Paulo. 1984.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem queima. Trad. Helano Ribeiro. Curitiba: Editora Medusa, 2018.

FIANCO, Francisco. Eu é o nome do vazio: Walter Benjamin e a melancolia no Drama Barroco. Passo Fundo: IMED, 2010.

FREUD, Sigmund. Escritos sobre a psicologia do inconsciente: Volume II: 1915-1920. Trad. Claudia Dornbusch. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2013.

HIPÓCRATES. Aforismos de Hipócrates en latín y castellano. Trad. García Suelto. Editorial Pubul. Barcelona. 1923.

KEHL, Maria Rita. O tempo e o cão. São Paulo: Boitempo Editorial, 2009.

KONDER, Leandro. Walter Benjamin: o marxismo da melancolia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

LÖWY, Michael. A estrela da manhã: surrealismo e marxismo. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. A atualidade de Walter Benjamin e Theodor W. Adorno. Rio de Janeiro : Civilização Brasileira, 2010.

STAROBINSKI, Jean. A tinta da melancolia: uma história cultural da tristeza. Trad. Rosa Freire D’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

Downloads

Publicado

2020-06-12

Como Citar

MESSERSCHMIDT, M. L. Pensar a melancolia: dos humores de Hipócrates ao pessimismo revolucionário de Walter Benjamin. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 20, n. 2, p. 88-98, 2020. DOI: 10.31977/grirfi.v20i2.1734. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/1734. Acesso em: 15 ago. 2020.

Edição

Seção

Artigos