Cálculo e medida na transição de o nascimento da tragédia para Humano, demasiado humano: as paixões como questão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v20i2.1795

Palavras-chave:

Criação; Apolíneo; Racionalidade; Paixões.

Resumo

O presente artigo discute as noções de cálculo e medida na obra de Nietzsche, mais especificamente na transição do seu período inicial para o período intermediário. Com isso, nossa intenção é explicitar como tais noções que soam tão pouco dionisíacas – e consequentemente, nietzschianas – podem fazer parte do conjunto da obra de Nietzsche e, mais ainda, serem essenciais para a compreensão de seu pensamento. Para que esse objetivo fosse alcançado, foram necessários os desdobramentos de conceitos como paixões e criação na obra nietzschiana, fazendo reaparecer características do conceito de apolíneo, que são praticamente despercebidos uma vez que o filósofo combina seus dois conceitos anteriores. Porém, ao fazer isso, ele compartilha conosco sua ideia de “criar a si mesmo como obra de arte”. Por fim, tentamos deixar claro que quando introduzimos tais noções como cálculo e medida em sua filosofia, isso jamais o faz parecer um filósofo racionalista ou moralista, isto é, alguém que busque apresentar e estabelecer determinadas regras e normas de conduta consideradas apropriadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Cesar Jakimiu Sabino, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Doutorando em Filosofia na Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba – PR, Brasil.

Referências

DIAS, R. Nietzsche, vida como obra de arte. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011a. (Coleção contemporânea: Filosofia, literatura e artes).

HALES, S. Nietzsche onlogic. Philosophy and Phenomenological Research, vol. 56, n. 4, p. 819-835, 1996.

LEBRUN, G. Quem era Dioniso In: LEBRUN, G. A filosofia e sua história. São Paulo: Cosac & Naify, 2006.

NASSER, E. O romantismo em Nietzsche enquanto um problema temporal, estético e ético. Revista Trágica, vol.2, n.2, p.31-46, 2009.

NIETZSCHE, F. Ecce homo. Tradução, notas e posfácio de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Cia de bolsa, 2008a.

NIETZSCHE, F. Humano, demasiado humano I. Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Cia das Letras, 2004.

NIETZSCHE, F. Humano, demasiado humano II. Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Cia das Letras, 2008b.

NIETZSCHE, F. O nascimento da tragédia. 2ª ed. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Cia das Letras, 2005.

NIETZSCHE, F. O crepúsculo dos ídolos. Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Cia das Letras, 2010.

PAPPAS, N. Nietzsche’s Apollo. Journal of Nietzsche studies, Pennsylvania, vol.45, n.1 (Spring), p.43-53.

RODRIGUES, L. G. Nietzsche e os gregos: arte e mal-estar na cultura. São Paulo: Annablume, 2003.

ROSENFELD, A.; GUINZBURG, J. Apêndice In: GUINZBURG, J. O classicismo. São Paulo: Perspectiva, 1999.

SCHACHT, R. Nietzsche. New York: Routledge, 2002. (The Argument of Philosophers).

VIESENTEINER, J. L. O conceito de vivência (Erleibnis) em Nietzsche: gênese, significação e recepção. Kriterion, n.127, p.141-155, 2013.

Downloads

Publicado

2020-06-12

Como Citar

JAKIMIU SABINO, P. C. Cálculo e medida na transição de o nascimento da tragédia para Humano, demasiado humano: as paixões como questão. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 20, n. 2, p. 174-189, 2020. DOI: 10.31977/grirfi.v20i2.1795. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/1795. Acesso em: 11 ago. 2020.

Edição

Seção

Artigos