Themata e pathosformeln: quando a história da ciência e a história da arte revelam afinidades conceptuais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v20i3.1837

Palavras-chave:

Themata; Pathosformeln; Persistência histórica; Transversalidade disciplinar e cultural.

Resumo

Este artigo apresenta uma análise comparativa de dois conceitos propostos e desenvolvidos em duas áreas muito distintas: o conceito de themata, proposto por Gerald Holton na área de história da ciência para dar conta dos processos de produção e difusão do conhecimento científico, e o conceito de Pathosformeln, proposto por Aby Warburg na área de história da arte para dar conta de importantes continuidades históricas e epocais da produção artística. Apesar dos contextos disciplinares tão distintos em que foram propostos, e apesar das especificidades que naturalmente asseguram a identidade própria de cada um dos conceitos, mostra-se neste artigo como themata e Pathosformeln têm inegáveis e importantes afinidades. De facto, ambos correspondem a entidades dotadas de longa persistência histórica, natureza cíclica e grande transversalidade disciplinar, cultural e epocal, em conjugação com uma grande capacidade de assumir formas específicas numa determinada época e num determinado contexto. Apesar de terem raízes em áreas muito distintas, as afinidades são suficientemente fortes para reconhecer aos themata e às Pathosformeln a pertença a uma mesma rede conceptual com grande potencialidade para a compreensão, não apenas da ciência e da arte, mas também das dinâmicas históricas e transdisciplinares da cultura em geral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Barbosa, Universidade de Lisboa (ULISBOA)

Doutor em em História e Filosofia das Ciências pela Universidade de Lisboa (ULISBOA), Lisboa, Portugal. Investigador do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa (CFCUL), Lisboa, Portugal.

Referências

CAMPA, Riccardo. Epistemological Dimensions of Robert Merton's Sociology. And the Debate in the Philosophy of Science of the Twentieth Century. Toruń: Nicholas Copernicus University Press, 2001.

CAVALIERI, Marco Antonio Ribas. Como os economistas discordam: um ensaio metodológico sobre o “contexto da descoberta” em economia. Estudos Econômicos. vol.37, n.2, 2007.

GUERREIRO, António. Aby Warburg e os Arquivos da Memória. In: Pombo, Olga et alli. (eds.). Enciclopédia e Hipertexto. Lisboa: Edições Duarte Reis, 2006. p.509-523.

GUERREIRO, António. A Biblioteca Warburg. Entre o Labirinto e o Hipertexto. In: POMBO, Olga et alli. (eds.). Enciclopédia e Hipertexto. Lisboa: Edições Duarte Reis, 2006. p.524-536.

HOLTON, Gerald. Thematic Origins of Scientific Thought. Kepler to Einstein. Cambridge, Massachussets and London, England: Harvard University Press, 1975.

HOLTON, Gerald. On the Role of Themata in Scientific Thought. Science. Volume 188, April 25, 1975a. p.328-334.

HOLTON, Gerald. Thematic Origins of Scientific Thought. Kepler to Einstein. Revised Edition. Cambridge, Massachussets and London, England: Harvard University Press, 1988.

HOLTON, Gerald. On the Art of Scientific Imagination. Daedalus. vol 125, nº 2, 1996. p.183-208.

HOLTON, Gerald. A Cultura Científica e os Seus Inimigos. Lisboa: Gradiva, 1998.

HOLTON, Gerald. Victory and Vexation in Science – Einstein, Bohr, Heisenberg and Others. Cambridge, Massachusetts and London, England: Harvard University Press, 2005.

IMBERT, C. Warburg, de Kant à Boas. L’Homme. nº 165, 2003. p.11-40.

KUCH, T. D. C. Thematic analysis in information science: The example of “literature obsolescence”. Journal of the American Society for Information Science. vol. 33, issue 2, 1982. p.69-75.

LINS, J. W. O enigma da imagem: a contribuição de Warburg à História da Arte. DAPesquisa. vol 2, 2009. p.1-6.

LIU, Li. Sensitising Concept, Themata and Shareness: A Dialogical Perspective of Social Representations. Journal for the Theory of Social Behaviour, 2004. p.249-264.

MERTON, Robert K. Thematic Analysis in Science: Notes on Holton's Concept. Science. New Series, Volume 188, April 25, 1975. p.335-338.

MOSCOVICI, S. e VIGNEAUX, G. Le concept de thêmata. In: Guimelli, Ch. Structures et transformations des représentations sociales. Neuchâtel: Delachaux et Niestlé, 1994. p.25-72.

PANOFSKY, Erwin. Galileo as a Critic of the Arts: Aesthetic Attitude and Scientific Thougth. Isis. nº 47, 1956. p.3-15.

SHERMER, Michael B. This View of Science: Stephen Jay Gould as Historian of Science and Scientific Historian, Popular Scientist and Scientific Popularizer. Social Studies of Science 32/4 (August), 2002. p.489-524.

TEIXEIRA, F. T. Aby Warburg e a pós-vida das Pathosformeln antigas. História da Historiografia. Ouro Preto. nº 5, jan 2010. p.134-147.

WARBURG, Aby. The Renewal of Pagan Antiquity. Los Angeles: Getty Research Institute for the History of Art and the Humanities, 1999.

VISKOVATOFF, A. Rationalism and mainstream economics. Journal of Economic Methodology. v. 10, nº 3, 2003. p.397-415.

Downloads

Publicado

2020-10-20

Como Citar

BARBOSA, J. Themata e pathosformeln: quando a história da ciência e a história da arte revelam afinidades conceptuais. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 20, n. 3, p. 98-111, 2020. DOI: 10.31977/grirfi.v20i3.1837. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/1837. Acesso em: 17 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos