Educação, resistência e politização: sobre o sentido da educação na literatura indígena brasileira contemporâ-nea

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v20i3.1891

Palavras-chave:

Educação; Movimento Indígena; Literatura Indígena; Resistência; Politização

Resumo

Argumentamos, no artigo, a partir de uma análise sistemática da produção literária de escritores/as indígenas brasileiros/as, que, desde a segunda metade do século XX, os povos indígenas passaram a afirmar a e a utilizar-se da esfera pública, sob a forma de ativismo, de militância e de engajamento, enquanto a estratégia e o lugar por excelência para a tematização da questão indígena no país, como forma de reação a processos de expansão socioeconômica e de negação político-cultural que punham em xeque a sua própria existência, bem como em termos de recusa seja do paternalismo tecnocrático, seja da ideia de responsabilidade relativa a eles impostos. Com o objetivo de consolidarem-se como sujeitos público-políticos atuantes, eles optaram pela educação escolar e pela apropriação de ferramentas epistemológicas e técnicas digitais que lhes permitissem inserir-se na socialização nacional, modernizar-se política, cultural e epistemologicamente para, com isso, dinamizar uma perspectiva de crítica de nossa modernização conservadora a partir da auto-organização comunitária interna e desde a construção de uma rede de interação entre as nações indígenas. Rompe-se, por meio disso, com a imagem produzida cultural e normativamente pela colonização do/a índio/a selvagem, rude e bárbaro/a, confinado/a ao mais recôndito de nossas matas, incapaz de civilização; e, em seu lugar, consolida-se exatamente esse/a indígena socializado/a, modernizado/a, no pleno uso de sua cidadania política, produzindo e publicizando conhecimento, cultura e arte próprias. Da apropriação da educação escolar e dessas ferramentas e técnicas epistemológico-digitais passa-se, portanto, a uma postura ativista, militante e engajada na esfera pública, política e cultural, por meio da correlação de Movimento Indígena e de literatura indígena, em que a promoção da singularidade étnico-antropológica está na base da própria crítica à modernidade constituída e realizada pelos povos indígenas, seus/as intelectuais e escritores/as.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leno Francisco Danner, Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre – RS, Brasil. Professor da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho – RO, Brasil

Julie Dorrico, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Doutoranda na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre – RS, Brasil.

Fernando Danner, Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre – RS, Brasil. Professor da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho – RO, Brasil.

Referências

BANIWA, Gersem dos Santos Luciano. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos in-dígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Al-fabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006.

BANIWA, Gersem dos Santos Luciano. Educação escolar indígena no século XXI: encantos e desen-cantos. Rio de Janeiro: Mórula, 2019.

BANIWA, Gersem dos Santos Luciano. “Língua, educação e interculturalidade na perspectiva indí-gena”, p. 41-56. In: ALBUQUERQUE, Gerson Rodrigues (Org.). Das margens. Rio Branco: NEPAN Editora, 2016.

BEHR, Héloïse. “A emergência de novas vozes brasileiras: uma introdução à literatura indígena no Brasil”, p. 259-279. In: MELLO, Ana Maria Lisboa de; PENJON, Jacqueline; BOAVENTURA, Maria Eugenia. Momentos da ficção brasileira. Porto Alegre, EDIPUCRS, 2017.

BENVENUTI, Juçara; BERGAMASCHI, Maria Aparecida; MARQUES, Tania Beatriz Iwaszko (Orgs.). Educação indígena sob o ponto de vista de seus protagonistas. Porto Alegre: EVANGRAF, 2013.

ESBELL, Jaider. Tardes de agosto, manhãs de setembro, noites de outubro. Boa Vista: Edição do Autor, 2013.

GRAÚNA, Graça. Contrapontos da literatura indígena contemporânea no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2013.

GUAJAJARA, Sônia. Sônia Guajajara. Organização de Sérgio Cohn e de Idjahure Kadiwel. Coorde-nação de Kaká Werá. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2018 (Coleção Tembetá).

JECUPÉ, Kaká Werá. Oré Awé Roiru’a Ma: todas as vezes que dissemos adeus. São Paulo: TRIOM, 2002.

JECUPÉ, Kaká Werá. A terra dos mil povos: história indígena brasileira contada por um índio. São Paulo: Peirópolis, 1998.

JEKUPÉ, Olívio. Literatura escrita pelos povos indígenas. São Paulo: Scortecci, 2009.

JEKUPÉ, Olívio. Xerekó arandu: a morte de Kretã. São Paulo: Peirópolis, 2002.

KAMBEBA, Márcia Wayna. Poemas e crônicas: Ay Kakyri Tama = Eu moro na cidade. Manaus: Gra-fisa Gráfica e Editora, 2013.

KATY, Sulami. Nós somos apenas filhos. Rio de Janeiro: ZIT, 2011.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRENAK, Ailton. Encontros. Organização de Sergio Cohn. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2015.

KRENAK, Ailton. Ailton Krenak. Organização de Sérgio Cohn e de Idjahure Kadiwel. Coordenação de Kaká Werá. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2017 (Coleção Tembetá).

MUNDURUKU, Daniel. Memórias de índio: uma quase autobiografia. Porto Alegre: EDELBRA, 2016.

MUNDURUKU, Daniel. O caráter educativo do movimento indígena brasileiro (1970-1990). São Paulo: Paulinas, 2012.

MUNDURUKU, Daniel. Mundurukando II: roda de conversa com educadores. Lorena: UK’A Edito-rial, 2017.

MUNDURUKU, Daniel. “Literatura indígena: o tênue fio entre a escrita e a oralidade”, p. 60-61. In: SHAKER, Arthur. Por dentro do escuro: mitos do povo xavante. São Paulo: Editora Global, 2011.

POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. São Paulo: Global, 2004.

RISÉRIO, Antônio. Textos e tribos: poéticas extraocidentais nos trópicos brasileiros. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

TUKANO, Álvaro. Álvaro Tukano. Organização de Sérgio Cohn e de Idjahure Kadiwel. Coordenação de Kaká Werá. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2017 (Coleção Tembetá).

THIÉL, Janice. Pele silenciosa, pele sonora: a literatura indígena em destaque. Belo Horizonte: Autên-tica Editora, 2012.

VALENTE, Rubens. Os fuzis e as flechas: história de sangue e de resistência indígena na Ditadura. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

WERÁ, Kaká. Kaká Werá. Organização de Sérgio Cohn e de Idjahure Kadiwel. Coordenação de Ka-ká Werá. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2017 (Coleção Tembetá).

WERÁ, Kaká. O trovão e o vento: um caminho de evolução pelo xamanismo tupi-guarani. São Paulo: Polar Editorial, 2016

Downloads

Publicado

2020-10-20

Como Citar

DANNER, L. F.; DORRICO, J.; DANNER, F. Educação, resistência e politização: sobre o sentido da educação na literatura indígena brasileira contemporâ-nea. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 20, n. 3, p. 211–228, 2020. DOI: 10.31977/grirfi.v20i3.1891. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/1891. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos