Gilles Deleuze e Aristóteles: a diferença no feliz momento grego

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v21i2.2367

Palavras-chave:

Deleuze; Aristóteles; Diferença; Representação.

Resumo

As críticas deleuzianas ao pensamento representacional convergem para o entendimento do pensamento como um processo recognitivo. Reconhecer é pensar. Entre todos os problemas concernentes a tal modelo de pensamento, há um empecilho fundamental na recognição: ela não reconhece aquilo que não cabe em suas premissas previamente estabelecidas e que delimitam a linearidade de um pensamento correto. Assim sendo, a diferença, nos alerta Deleuze, nunca chegou a ser pensada por si mesma. Nessa noção a diferença é apenas uma oposição ao igual. Em um dos seus diálogos com a tradição filosófica, o pensador francês encontrou uma rachadura pontual que tratou a diferença no pensamento do filósofo grego Aristóteles. Um momento em que a diferença emergiu e quase foi considerada por si mesma. Ocasião que Deleuze chamou de “O feliz momento Grego”. É sobre o pensamento aristotélico da diferença, o tal momento grego e a crítica conceitual que Deleuze realiza para compor sua teoria que o artigo irá tratar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Farias Rezino, Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR)

Doutoranda em Filosofia na Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), São Carlos - SP, Brasil.

Referências

ABREU, Ovídio de. “A arte na filosofia de Deleuze”. In.: HADDOCK-LOBO, Rafael (Org.) Os filósofos e a arte. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

ARISTÓTELES, Metafísica vol. I, II, III, 2ª edição. Ensaio introdutório, tradução do texto grego, sumário e comentários de Giovanni Reale. Tradução portuguesa Marcelo Perine. São Paulo. Edições Loyola. 2002.

DELEUZE, Gilles. Diferença e Repetição. Tradução de Luiz Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1988, 1ª edição, 2ª edição, 2006.

FORNAZARI, Sandro K. O esplendor do ser a composição da filosofia da diferença em Gilles Deleuze (1952-68). Tese (Doutorado em Filosofia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, p. 195. 2005.

LAPOUJADE, David. Deleuze, os movimentos aberrantes. Tradução: Laymet Garcia dos Santos. São Paulo: n-1 edições, 2015.

SILVA, Cíntia Vieira da. “Arte como saúde: crítica, clínica e o povo que falta”. In: Viso: Caderno de estética aplicada, n°19. Jul-dez/2016.

Downloads

Publicado

2021-06-02

Como Citar

FARIAS REZINO, L. Gilles Deleuze e Aristóteles: a diferença no feliz momento grego. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 21, n. 2, p. 15–26, 2021. DOI: 10.31977/grirfi.v21i2.2367. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/2367. Acesso em: 27 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos