Os dois lados do limite da crítica: por que o númeno faz parte da analítica?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v22i1.2556

Palavras-chave:

Analítica transcendental; Númeno; Limite; Crítica.

Resumo

A partir da preocupação sistemática com as divisões da CRP, abordamos o terceiro capítulo da Analítica dos Princípios, incluindo também suas teses sobre a transgressão da razão e sobre o “alargamento negativo”. Nossa proposta é mostrar a especificidade do conceito de númeno frente às outras categorias do entendimento, sem perder de vista sua pertinência dentro da Analítica Transcendental. A peculiaridade desse conceito expressa de maneira privilegiada a relação da crítica com os limites do conhecimento, uma vez que númeno é uma representação posta fora da possibilidade da intuição, mas que é exposta por análise do conhecimento – e não por inferência, como seria o caso das ideias da razão. Propomos, portanto, lançar luz sobre os argumentos que, por um lado, limitam o conhecimento e, por outro, permitem ao pensamento uma via para prosseguir além da experiência. Desse modo, a posição do crítico, que na atividade de análise se desprende de interesses específicos em prol de uma investigação imparcial, consegue abarcar o dentro e o fora da delimitação conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Santana Júnior Borges, Universidade de São Paulo (USP)

Doutorando(a) em Filosofia na Universidade de São Paulo (USP), São Paulo – SP, Brasil. Bolsista do(a) Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo ( FAPESP), São Paulo – SP, Brasil.

Referências

ALLISON, H. Kant’s concept of the transcendental object. In Kant-Studien vol. 59, no. 1-4, Berlin; New York: De Gruyter, 1968 (pp. 165-186)

BUNCH, A. ‘Objective Validity’ and ‘Objective Reality’ in Kant's B-deduction of the Categories. In Kantian Review v.14-2. 2010 pp 67-92.

CACCIOLA. Schopenhauer e a Questão do Dogmatismo. São Paulo, Edusp-Fapesp, 1994.

CAIMI, M. Pensamentos sem conteúdo são vazios. In Analytica vol. 6, 2001 (pp. 177-94).

CODATO, L. Kant e o fim da ontologia. In Analytica 13 (1) (2009). 39-64.

HULSHOF, M. O conceito de númeno na “Dialética transcendental”: a abertura para um uso legítimo das ideias da razão. Studia Kantiana 10 (12) (2012):5-33.

GUYER, P. Kant and the Claims of Knowledge. New York, Cambridge University Press, 1987.

KANT, I. Gesammelte Schriften. Hsrg. Akademie der Wissenschaften. Berlin/Leipzig: W. de Gruyter.

KANT, I.Crítica da razão pura. Trad. M. P. dos Santos & A. F. Morujão. Lisboa: Fund. Calouste Gulbenkian. 2001.

KEINERT, Crítica e autonomia em Kant: a forma legislativa entre determinação e reflexão. São Paulo (tese) USP. 2006.

KEMP SMITH, N. A Commentary to Kant's 'Critique of Pure Reason. Nova York: Palgrave Macmillan, 2003

LEBRUN, G. Kant e o fim da metafísica. Trad. C. A. Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

LEBRUN, G. A aporética da coisa em si. In LEBRUN, G. Sobre Kant. São Paulo: Iluminuras, 2001

LICHT, P. Algumas observações sobre a dialética transcendental: o fim da Crítica da razão pura. In Studia Kantiana, v. 6/7, 2008.

LOUZADO, G. O paradoxo das coisas em si mesmas. In O que nos faz pensar 19 (2005): 149-164.

LONGUENESSE, B. Kant et le pouvoir de juger. Paris: Pr. Universitaires de France, 1993.

MATTOS, FC. Kant e o problema da coisa em si. Perspectiva de uma reflexão racional. In Cadernos de Filosofia Alemã 5, (1999): 27-44.

SANTOS, L.R. dos. Metáforas da razão.... Lisboa: Fund. Calouste Gulbenkian, 1994.

SEEL, G. Die Einleitung in die Analytik der Grundsätze, der Schematismus und die obersten Grundsätze. In MOHR, G; WILLASCHEK, M (hrsg) Immanuel Kant, Kritik der reinen Vernunft. Berlin: Akademi Verlag. 1998. (pp. 217- 246).

SUZUKI, M. O gênio Romântico. São Paulo: Ed. Iluminuras, 1998.

ZÖLLER, G. Possibiliser l’expérience: Kant sur la relation entre le transcendantal et l’empirique. In GRANDJEAN (org) . Kant et les empirimes. Paris: Classiques Garnier, 2017 (pp. 99-112).

Downloads

Publicado

2022-02-27

Como Citar

BORGES, P. S. J. Os dois lados do limite da crítica: por que o númeno faz parte da analítica?. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 22, n. 1, p. 34–48, 2022. DOI: 10.31977/grirfi.v22i1.2556. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/2556. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos