Bem egológico e bem comum: entre antigos e helênicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v22i1.2567

Palavras-chave:

Bem, Ethos, Política, Antiguidade, Helenismo

Resumo

O artigo que se apresenta tem por objeto central ser um atravessamento entre as noções de bem comum e bem individual. Assim, pretendeu-se desenvolver a explicação do percurso histórico-filosófico, de onde se deu a passagem e interposição entre as concepções éticas de bem comum e bem individual; no que diz respeito, do mesmo modo, à passagem entre a antiguidade grega e o mundo helênico. Por conseguinte, o presente escrito tratar-se-á da apresentação de um panorama geral de transposição teórica e de concepção política, quando na emergência do desenho arquitetado por certos filósofos que se mostram fundamentais à questão política antiga e helênica. A saber: Platão, Aristóteles, Epicuro, Zenão de Cítio e Pirro. Pensadores fundadores do entendimento sobre o que seja a política, de modo atemporal; sendo, por este motivo, eles mesmos a arche e ponto de partida de qualquer investigação sobre o é determinado enquanto ethos humano, inserido nesta perspectiva nascente e corrente que denominamos de busca por um bem egológico.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Rosa Luz, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Doutor(a) em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro – RJ, Brasil. Professor(a) de Filosofia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, no Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira (CAp-UERJ), Rio de Janeiro – RJ, Brasil.

Referências

ABRÃO, Bernadete S. História da Filosofia. São Paulo: Nova Cultura LTDA, 2004.

ARISTÓTELES. A Política. Trad. Mário da Gama Cury. Brasília: Editora da UnB, 1985.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Trad. Leonel Vallandro e Gerd Bornhein. Coleção Os Pensadores. 1ª ed. São Paulo: Abril S.A. Cultural, 1984.

BAILLY, A. Dictionnaire Grec-Français. 16eme. Édition. Paris: Library Hachette, 1950.

EPICURO. Antologia de textos. Trad. Agostinho da Silva, Amador Cisneiros, Giulio Davide Leoni, Jaime Bruna. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

EPICURO. Carta sobre a felicidade (a Meneceu). Trad. Álvaro L. e Enzo Del Carratore. São Paulo: UNESP, 2002.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Minidicionário da Língua Portuguesa. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

GAZOLLA, Rachel. O ofício do filósofo estoico: o duplo discurso da Stoa. São Paulo: Loyola, 1999.

LUZ, Ana Rosa. “A verdade como questão nota sobre a resposta fenomenológica à noção transcendental do criticismo”. Revista Paranaense de Filosofia, vol. 1, Curitiba, p. 200-214, 2021.

LUZ, Ana Rosa. “O Teleologismo de Aristóteles: A Teoria das Virtudes à luz da Ética a Nicômaco”. Ítaca, vol. 27, Rio de Janeiro, p.78-93, 2015.

LUZ, Ana Rosa. “Reflexão Filosófica sobre a Bioética e a Técnica”. Revista Eletrônica Do Vestibular, vol. 30, Rio de Janeiro, p.1-3, 2018.

PLATÃO. A República. Trad. Carlos Alberto Nunes. 3ª ed. Belém: EDUFPA, 2000.

Downloads

Publicado

2022-02-27

Como Citar

LUZ, A. R. Bem egológico e bem comum: entre antigos e helênicos. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 22, n. 1, p. 1–11, 2022. DOI: 10.31977/grirfi.v22i1.2567. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/2567. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos