As três fases do problema da demarcação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v22i1.2704

Palavras-chave:

Problema da Demarcação; Ciência; Pseudociência; Critério de demarcação.

Resumo

Este artigo busca alcançar dois objetivos. Primeiro, apresentar uma análise panorâmica das três principais concepções contemporâneas sobre o problema da demarcação. Tradicionalmente, o problema da demarcação pretendeu delimitar conceitualmente as fronteiras entre “ciência”, “não-ciência” e/ou “pseudociência” via critérios e definições de ciência ou de cientificidade. Tal problemática – principalmente no século XX, mas não só – fez-se presente como um dos grandes desafios intelectuais da filosofia da ciência e em áreas afins. Com efeito, nossa análise produziu uma divisão que recorta três fases principais, a saber, perspectivas otimistas, pessimistas e, por assim dizer, perspectivas híbridas. À luz desse contexto, e a fim de apoiar a arquitetura geral do artigo, selecionamos dois autores de cada uma dessas fases para uma análise esquemática. Segundo, buscamos, ao final, argumentar que o problema da demarcação é melhor compreendido e respondido se caracterizado como mais do que um problema exclusivamente metodológico e epistemológico, isto é, nessa acepção ele seria também um problema valorativo com contornos políticos, sociais e, portanto, prático. Chamamos isso de: dimensão dual do problema da demarcação. Ademais, destacamos que nossa ênfase nesta interpretação está de acordo, essencialmente, ao que defende a terceira abordagem analisada neste trabalho. Ao final, defendemos que a terceira concepção aqui esboçada é uma alternativa comparativamente melhor do que as demais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robson Carvalho, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutorando(a) Em Filosofia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC, Brasil. Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), Brasil.

Referências

ABRANTES, Paulo. Método e ciência: uma abordagem filosófica. Belo Horizonte: Fino Traço, 2020.

ANDERSEN, Hanne; HEPBURN, Brian. Scientific Method. In. ZALTA, E. The Stanford Encyclopedia of Philosophy, 2021. Disponível em: https://plato.stanford.edu/entries/scientific-method/#PopFal/>. Acessado em: Ago. 2021.

BARTLEY, Willian. Theories of Demarcation between Science and Metaphysics. In: (Ed) LAKATOS, Imre; MUSGRAVE, Alan. Problems in the Philosophy of Science. Amsterdam: North-Holland Publishing Campany, 1968, pp.40-119.

BEJARANO, Nelson; ADURIZ-BRAVO, Agustpin; (et al). Natureza da ciência (NOS): para além do consenso. Ciênc. Educ. Baruru: v.25, n.4, pp.967-982, 2019.

CARNAP, Rudolf. A superação da metafísica pela análise lógica da linguagem. Cadernos de Filosofia Alemã: v.21, n.2, pp.95-114, [1931] 2016.

CHALMERS, Alan. O que é Ciência afinal?. São Paulo: Brasiliense, 1993.

CREATH, Richard. Logical empiricism. In. ZALTA, E. The Stanford Encyclopedia of Philosophy, 2017. Disponível em: https://plato.stanford.edu/entries/logical-empiricism/#EmpVerAntMet/>. Acessado em: Ago. 2021.

DUTRA, Luiz. A demarcação entre ciência e metafísica: a crítica de Popper ao positivismo lógico. 1990. 210 f. Dissertação (Mestrado em filosofia). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

DUTRA, Luiz. Introdução à teoria da Ciência. Florianópolis: Ed. UFSC, 2017.

EDMONDS, David; EIDINOW, John. O atiçador de Wittgenstein. Rio de Janeiro: Defel, 2010.

FEYERABEND, Paul. A Ciência em uma Sociedade livre. São Paulo: Edusp [1978] 2011b.

FEYERABEND, Paul. Contra o Método. São Paulo: Edusp [1975] 2011.

FEYERABEND, Paul. Diálogos sobre o conhecimento. São Paulo: Perspectiva [1991] 2012.

GAUQUELIN, M. The cosmic clocks. Chicago: Henry Regnery, 1967.

GODFREY-SMITH, Peter. Theory and Reality: un introduction to the Philosophy of Science. Chicago: Chicago University Press, 2003.

HAACK, Susan. Just say ‘no’ to logical negativism. In: Putting Philosophy to Work. New York: Promethues Books, 2013.

HAACK, Susan. Six signs of scientism. Logos & Episteme: v.3, pp.75-95, 2012.

HORGAN, John. O fim da ciência: uma discussão sobre os limites do conhecimento científico. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

HOYNINGEN-HUENE, Paul. Systematicity: the nature of science. New York; Oxford: University Press, 2013.

KUHN, Thomas. A Estrutura das Revoluções Científicas. São Paulo: Perspectiva, [1962] 2011.

KUHN, Thomas. Lógica da Descoberta ou Psicologia da Pesquisa?. In: A tensão essencial. São Paulo: Unesp, [1970] 2011b, pp.283-311.

LAKATOS, Imre. O falseamento e a metodologia dos programas de pesquisa. In: (Ed) LAKATOS, Imre; MUSGRAVE, Alan. São Paulo: Cultrix, [1970] 1979, pp.109-243.

LAKATOS, Imre. Popper on demarcation and induction. In: SCHIPP, Paul (Ed). The philosophy os Karl Popper. La salle: Open Court, v.1, 1974, pp.241-264.

LAUDAN, Larry. Commentary: Science at the Bar – Causes for concern. In: CURT, Martin (Org). Philosophy of Science: the central issues, 1998. New York; London: W.W. Norton & Company, 1982, pp.48-53.

LAUDAN, Larry. O Progresso e seus problemas: rumo a uma teoria do crescimento científico. São Paulo: Unesp, [1977] 2011.

LAUDAN, Larry. Teorias do método científico de Platão a Mach. Cad.Hist.Fil.Ci: v.10, n.3, pp. 9-140, 2000.

LAUDAN, Larry. The demise of the demarcation problem. In: (Ed) COHEN, Robert & LAUDAN, Larry. Physics, Philosophy, and Psychoanalysis. Dordrecht: D. Reidel Publishing Company, 1983, pp.111-127.

LOSEE, John. A Historical introduction to the Philosophy of Science. New York: Oxford University Press, 2001.

MAHNER, Martin. Science and Pseudoscience: how to demarcation after the (allegend) demise of the demarcation. In: PIGLIUCCI, Massimo; BOUDRY, Maarten (Org). Philosophy of Pseudoscience: reconsidering the demarcation problem. Chicago: Chicago University Press, 2013, pp.29-43.

MCINTYRE, Lee. The Scientific Attitude: defending science from denial, and pseudoscience. Cambridge: MIT Press, 2019.

MILLER, David. Falsabilidad – ¿Más que una convención?. Rosário: Universidad Nacional de Rosário, 2008.

MILLER, David. Karl Raimmund Popper. Khronos: revista de história da ciência, n.1, pp.13-78, 2010.

MOTTERLINI, Matteo (Ed). For and Against Method. Chicago; London: The University of Chicago Press, 1999.

MOULINES, Carlos. O desenvolvimento moderno da filosofia da ciência (1890-2000). São Paulo: Ed. Scientiae Studia, 2020.

MUSGRAVE, Alan; PIGDEN, Charles. Imre Lakatos. In. ZALTA, E. The Stanford Encyclopedia of Philosophy, 2021. Disponível em: https://plato.stanford.edu/entries/lakatos/>. Acessado em: Ago. 2021.

NUMBERS, Ronald. Criacionismo científico e design. In. HARRISON, Peter (Org). Ciência e Religião. São Paulo: Ideias & Livros, 2014, pp.165-190.

OUELBANI, Mélika. O Círculo de Viena. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

OVERTON, Willian. Creationism in school: the decision in McLean versus the Arkansas Board of Education. Science 215: pp.934-943, 1982.

POPPER, Karl. A Ciência: Conjecturas e Refutações. In. Conjecturas e refutações. Brasília: Editora Universidade de Brasília, [1963] 2008, pp.63-88.

POPPER, Karl. Autobiografia intelectual. São Paulo: Cultrix, 1977.

POPPER, Karl. Conhecimento Objetivo. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975, pp.13-40.

POPPER, Karl. The Logic of Scientific Discovery. London: Routledge, [1959] 2002.

PRESTON, John. Paul Feyerabend. In. ZALTA, E. The Stanford Encyclopedia of Philosophy, 2020. Disponível em: https://plato.stanford.edu/entries/feyerabend/>. Acessado em: Ago. 2021.

RESNIK, David. A Pragmatic Approach to the Demarcation Problem. Stud. Hist. Sci: v.31, pp.249-267, 2000.

RUSE, Michael. Ateísmo, naturalismo e ciência: três em um?. In. HARRISON, Peter (Org). Ciência e Religião. São Paulo: Ideias & Livros, 2014, pp.287-306.

RUSE, Michael. Creation-Science is not Science. In. CURT, Martin (Org.). Philosophy of Science: the central issues, 1998. New York; London: W.W. Norton & Company, 1982, pp.38-47.

RUSE, Micheal. Responded to the commentary: pro judice. In. CURT, Martin (Org). Philosophy of Science: the central issues, 1998. New York; London: W.W. Norton & Company, 1982b, pp.54-61.

SOKAL, Alan; BRICMONT, Jean. Imposturas Intelectuais: o abuso da ciência pelos filósofos pós-modernos. Rio de Janeiro: Record, 2006.

STEGMÜLLER, Wolfgang. A Filosofia Contemporânea. São Paulo: EPU Universidade de São Paulo, 1977, v.2, pp.275-307.

THAGARD, Paul. Computational Philosophy of Science. Cambridge: MIT Press, pp.157-173, 1988.

THAGARD, Paul. Why Astrology is a Pseudoscience. Philosophy of Science Association: vol. 1, pp.223-234, 1978.

ZIMAN, John. Conhecimento Público. São Paulo: Universidade de São Paulo. [1968] 1979.

Downloads

Publicado

2022-02-27

Como Citar

CARVALHO, R. As três fases do problema da demarcação. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 22, n. 1, p. 227–250, 2022. DOI: 10.31977/grirfi.v22i1.2704. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/2704. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos