Problematização filantropa da ação ecológica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v22i1.2818

Palavras-chave:

Produção; Consumo; Antropocêntrico; Sustentabilidade; Ecocêntrico.

Resumo

O presente artigo problematiza a dualidade existente entre os termos Terra e mundo sob o contexto da crise climática do século XXI.  Nele são propostos, a partir da desconstrução de valores antropocêntricos e ecocêntricos, uma análise do paradigma filantropo/sustentável, como modo de compreender interdisciplinaridade da coexistência entre o Homem e a Natureza. Para isso, são demonstrados alguns desequilíbrios hierárquicos presentes na concessão da cultura ocidental proposta por Samuel Huntington, no imaginário ecológico das comunidades indígenas defendidas por Zoe Todd e no impacto ambiental da sociedade de consumo pela perspetiva de Patrick Curry, Richard Sylvan e David Bennett. Como resultado, é demonstrada a importância da compreensão de um equilíbrio entre o consumo e a produção, responsabilizando o antropocentrismo elitista das comunidades ocidentais como causa e solução da problemática ecológica, transversalmente ilustrada a partir do mercado e mundo da arte sob a conceção de inutilidade prática da sua existência e dado a sua contribuição para um problema de superprodução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Ribeiro, Universidade do Porto (U.PORTO)

Mestre(a) em Artes Plásticas pela Universidade do Porto (U.PORTO), Porto, Portugal.

Teresa Almeida, Universidade do Porto (U.PORTO)

 Doutor(a) em Estudos de Arte pela Universidade de Aveiro (UA), Aveiro, Portugal. Professor(a) da Universidade do Porto (U.PORTO), Porto, Portugal. 

Referências

BARTHEL-BOUCHIER, D. Sacha Kagan, Art and Sustainability: Connecting Patterns for a Culture of Complexity. International Sociology, 2012. 27(5), 683–686. https://doi.org/10.1177/0268580912452375

BENNETT, D., & SYLVAN, R. The Greening of Ethics. Tucson, USA: University of Arizona Press, 1994.

BENNETT, J. Vibrant Matter: A Political Ecology of Things (John Hope Franklin Center Book). Duke University Press Books, 2010.

CURRY, P. Ecological Ethics: An Introduction (1º ed.). Polity Press, 2005.

CLODD, E. Animism, the Seed of Religion. Amsterdam, Netherlands: Adfo Books, 2012.

COLLIN, P. Dictionary of Environment and Ecology: Over 7,000 terms clearly defined (Bloomsbury Reference) (5º ed.). A&C Black, 2004.

DELEUZE, G., & GUATTARI, F. Anti-Oedipus: Capitalism and Schizophrenia. University of Minnesota Press, 1983.

FRIEDMAN, R. M. Liberdade para Escolher, Publicações europa-américa, 1980.

FORAN, T. P. Defining Métis: Catholic Missionaries and the Idea of Civilization in Northwestern Saskatchewan, 1845-1898 (1º ed.). University of Manitoba Press, 2017.

HUNTINGTON, S. P. O Choque de Civilizações e a Recomposição da Ordem Mundial (5º ed.). Objetiva,1997.

KOHAK, E. The Green Halo: A Bird’s-Eye View of Ecological Ethics. Chicago and La Salle, Illinois: Open Court, 1999.

LEVESQUE, S. Two versions of ecosophy: Arne Næss, Félix Guattari, and their connection with semiotics. Sign Systems Studies, 2016, 44(4), 511–541. https://doi.org/10.12697/sss.2016.44.4.03

SAHLINS, M. What is Anthropological Enlightenment? Some Lessons of the Twentieth Century. Annual Review of Anthropology, 1999, 28(1), i–xxiii. https://doi.org/10.1146/annurev.anthro.28.1.0

STEVENSON, A., & LINDBERG, C. A. New Oxford American Dictionary 3rd Edition (3º ed.). Oxford University Press, 2010.

TOBGAY, T. This country isn’t just carbon neutral — it’s carbon negative. YouTube, 2016. Acedido em https://www.youtube.com/watch?v=7Lc_dlVrg5M

TURPIN, H. D. E. Art in the Anthropocene: Encounters Among Aesthetics, Politics, Environments and Epistemologies (Critical Climate Change). Open London: Humanities Press, 2015.

WORLD COMMISSION ON ENVIRONMENT AND DEVELOPMENT. Our Common Future (Oxford Paperbacks ed.) (1º ed.),1987.

Downloads

Publicado

2022-02-27

Como Citar

RIBEIRO, A.; ALMEIDA, T. Problematização filantropa da ação ecológica. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 22, n. 1, p. 290–297, 2022. DOI: 10.31977/grirfi.v22i1.2818. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/2818. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos