Pressupostos e balanço crítico da análise de Habermas sobre a subjetividade e da tese da individuação pela socialização

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v22i2.2829

Palavras-chave:

Habermas; Subjetividade; Socialização; Metafísica; Individuação.

Resumo

Este trabalho tem por objetivo levantar alguns argumentos utilizados por Habermas em seu Pensamento pós-metafísico a fim de que possamos a partir disso fazer um balanço crítico do papel que ele alega ao problema da subjetividade à luz de sua tese da individuação pela socialização. Primeiramente apresentaremos os pressupostos teóricos e históricos aos quais o projeto habermasiano está assentado, por exemplo, a utilização de Habermas da teoria social de Mead, para então compará-lo à tradição a qual ele se contrapunha. Tentaremos então esclarecer certas tendências da época, reforçadas sobretudo pela teoria de Habermas, tal qual a noção da redução da subjetividade à socialização, comparando-as com os elementos principais das teorias metafísicas da subjetividade que haviam dominado o discurso da modernidade. Como veremos, o ponto médio que bifurca ambas as perspectivas será a atitude com que cada um se comporta diante dos problemas decorrentes do círculo reflexivo da subjetividade, tematizando a possibilidade de um conhecimento não proposicional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Filipe Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutorando(a) em Filosofia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre – RS, Brasil. Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), Brasil.

Referências

BONJOUR, Laurence. The Dialectic of Foundationalism and Coherentism. In: GRECO, John; SOSA, Ernest (org.). The Blackwell guide to epistemology. Oxford: Blackwell, 1999, p. 117-142.

CRAMER, Konrad. ‘Erlebnis’: Thesen zu Hegels Theorie des Selbstbewußtseins mit Rücksicht auf die Aporien eines Grundbegriffs nachhegelscher Philosophie, In: GADAMER, Hans (org.). Stuttgarter Hegel-Tage 1970, Beiheft 11, Bonn: Hegel-Studien, 1974, p. 537-604.

FRANK, Manfred. Selbstbewubtsein und Selbsterkenntnis. Stuttgart: Reclam, 1991.

FRANK, Manfred. Autoconsciência e autoconhecimento. Revista Ética e Filosofia política, v. 1, n. 24, p. 180-208, 2021.

HABERMAS, Jürgen. Pensamento pós-metafísico: estudos filosóficos. Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 2002.

HENRICH, Dieter. Fichtes ursprüngliche Einsicht. In: HENRICH, Dieter; WAGNER, Hans (orgs.). Subjektivität und Metaphysik. Festschrift für W. Cramer. Frankfurt, 1966, p. 188-232

HENRICH, Dieter. Selbstverhältnisse. Gedanken und Auslegungen zu den Grundlagen der klassischen deutschen Philosophie. Stuttgart: Reclam, 1982.

ORSINI, Federico. O projeto hegeliano de uma filosofia livre de pressuposições. Kriterion: Revista de Filosofia, v. 58, n. 138, p. 521-538, 2017.

SHOEMAKER, Sidney; SWINBURNE, Richard, Personal Identity. Oxford: Blackwell, 1984.

Downloads

Publicado

2022-06-19

Como Citar

OLIVEIRA, L. F. Pressupostos e balanço crítico da análise de Habermas sobre a subjetividade e da tese da individuação pela socialização. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 22, n. 2, p. 44–58, 2022. DOI: 10.31977/grirfi.v22i2.2829. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/2829. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos