O direcionamento humano: uma breve contribuição da filosofia e uma leitura do mundo técnico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v22i2.2894

Palavras-chave:

Direcionamento humano; Tecnologia; Kant, Heidegger; Cathy O’Neil.

Resumo

Este artigo trata sobre a concepção de um “nós” que se constitui a base para um direcionamento mais amplo, diferenciando os humanos frente aos demais seres vivos. Neste sentido, um discurso sobre “nós” necessita de uma base de apoio e, geralmente, aponta para uma direção. Este último aspecto implica, mesmo que minimamente, um direcionamento do ser humano projetado para o futuro. Diante deste contexto, este artigo visa discutir sobre o direcionamento humano e verificar as suas características. Para realizar esta discussão na primeira seção são expostas algumas posições filosóficas por meio de contribuições de Heidegger e Kant. E, na segunda seção, a concepção de um “nós”, será analisada com o foco nos fenômenos recentes do desenvolvimento técnico. A conclusão final aponta que o direcionamento, propiciado pela tecnologia, se adapta bem a certas características já existentes nos humanos em épocas anteriores. Uma solução possível para lidar com o direcionamento tecnológico seria o envolvimento, por parte da filosofia, com certos aspectos já disponíveis sobre o mundo técnico e a fomentação de um espaço de reflexão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Itamar Soares Veiga, Universidade de Caxias do Sul (UCS)

Doutor(a) em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica (PUC/RS), Porto Alegre – RS, Brasil. Professor(a) da Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul – RS, Brasil.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Vigilância Líquida: Diálogos com David Lyon. Rio de Janeiro: Zahar, 2013

EMPOLI da, Giuliano. Os engenheiros do caos: como fake news, as teorias da conspiração e os algoritmos estão sendo utilizados para disseminar ódio, medo e influenciar eleições. São Paulo: 2020.

HEIDEGGER, Martim. Ensaios e conferências. Petrópolis: Editora Vozes, 2001

HEIDEGGER, Martim. Serenidade. Lisboa: Instituto Piaget: 2000.

KANT, Immanuel. Textos seletos. Petrópolis: Editora Vozes, 1974, edição bilíngüe.

KANT, Immanuel Ideia de uma história universal de um ponto de vista cosmopolita. São Paulo: Brasilense, 1986. FOER, F. O mundo que não pensa: a humanidade diante do perigo real da extinção do Homo Sapiens. Rio de Janeiro: LeYa, 2018.

PARISER, Eli. O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

LANIER, Jaron. Dez argumentos para você deletar agora suas redes sociais. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2018.

LAZZARATO, Maurizio. Fascismo ou revolução? O neoliberalismo em chave estratégica. São Paulo: N-1 Edições, 2019.

HAN, Byung-Chul. Sociedade Paliativa: a dor hoje. Petrópolis: Editora Vozes, 2021.

O'NEAL, Cathy. Algoritmos de destruição em massa: como o big data aumenta a desigualdade e ameaça a democracia. Santo André: Editora Rua do Sabão, 2020.

ZUBOFF, Shoshana. A era do capitalismo de vigilância: a luta por um futuro humano na nova fronteira do poder. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca, 2021.

REICH, R.; SAHAMI, M.; WEINSTEIN, Jeremy M. System Error: where big tech went wrong and how we can reboot. London: Hodder & Stoughton, 2021.

Downloads

Publicado

2022-06-19

Como Citar

VEIGA, I. S. O direcionamento humano: uma breve contribuição da filosofia e uma leitura do mundo técnico. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 22, n. 2, p. 139–155, 2022. DOI: 10.31977/grirfi.v22i2.2894. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/2894. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos