Considerações acerca da noção de história no conceito de genealogia nietzschiano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v22i2.2916

Palavras-chave:

Genealogia; História; Nietzsche; Riso.

Resumo

 

O objetivo geral deste artigo é discutir o conceito de genealogia criado por Friedrich Nietzsche. A nossa hipótese é a de que Nietzsche se alia a uma determinada noção de história para criar este conceito. Trata-se então de investigar em que medida Nietzsche toma a história como uma escrita hieroglífica e como esta concepção de história não pode ser pensada a partir de sua compreensão  acerca das origens. Assim, a relação que Nietzsche estabelece com a história é outra, que não pertence ao registro tradicional. Pois, se a metafísica pode tornar a história uma ciência objetiva na qual é possível definir um absoluto, uma constante, e a partir daí traçar um movimento teleológico, Nietzsche pensa a história como descontinuidade, apostando na singularidade do acontecimento. Por fim, apontaremos para a dimensão do riso inerente a este registro de história, e de como o riso do genealogista seria uma espécie de proteção diante da seriedade científica para realização de sua gaia ciência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda dos Santos Sodré, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Doutor(a) em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro – RJ, Brasil. Pesquisador(a) do Núcleo de Filosofias da Criação (NFC) do Programa de Pós-Graduação em Filosofia (PPGF).

Referências

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. 2.ed. trad. Antônio Piquet e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Tradução de Roberto Cabral e Eduardo Jardim Morais. Rio de Janeiro, Nau Editora, 1997.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Tradução; Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich. A Gaia Ciência. Tradução de Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do Bem e do Mal. Tradução de Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

NIETZSCHE, Friedrich.. Assim Falou Zaratustra. Tradução de Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE, Friedrich. Aurora. Tradução de Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

NIETZSCHE, Friedrich. Crepúsculo dos Ídolos. Tradução de Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich. Ecce homo: como alguém se torna o que é. Tradução de Paulo César de Souza São Paulo: Companhia das letras, 2003.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da Moral. Tradução de Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

NIETZSCHE, Friedrich. Humano, demasiado Humano. Tradução de Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

NIETZSCHE, Friedrich. Humano, demasiado Humano II. Tradução de Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

Downloads

Publicado

2022-06-19

Como Citar

SODRÉ, F. dos S. Considerações acerca da noção de história no conceito de genealogia nietzschiano. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 22, n. 2, p. 215–226, 2022. DOI: 10.31977/grirfi.v22i2.2916. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/2916. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos