O conceito de “vontade” na ética de Espinosa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v14i2.711

Palavras-chave:

Vontade; Conhecimento; Liberdade.

Resumo

Neste artigo pretendo apresentar uma interpretação do sentido que Espinosa atribuiu ao conceito de “vontade”. Mostrar como ele se afastou da concepção que a tradição tinha desse conceito, e qual é o papel que o mesmo desempenha nas deduções geométricas empregadas em suas demonstrações. Por fim, levando em consideração os dois primeiros livros da sua Ética, pretendo esclarecer em que medida o conceito de “vontade” tornou possível tanto a demonstração do conhecimento quanto da liberdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Albertinho Luiz Gallina, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Doutor em Filosofia e professor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Rio Grande do Sul – Brasil.

Referências

CAHIERS SPINOZA (2 e 5). Paris: Éditions Réplique, 1985.

CHAUÍ, Marilena. Espinosa: uma filosofia da liberdade. São Paulo: Editora Moderna, 1995.

CHAUÍ, Marilena. Espinosa e a Essência Singular. Texto apresentado no II Encontro de Estudos do Século XVII, 1997. (Mimeo)

CHAUÍ, Marilena. A Nervura do Real: Imanência e Liberdade em Espinosa. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

DESCARTES, René. Meditações. 3. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

DESCARTES, René. Regras para a Direção do Espírito. Lisboa: Edições 70, 1985.

ESPINOSA, Baruch de. Ética. 3. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

GUEROULT, Martial. Spinoza II – L’Âme (Ethique, II). Paris: Aubier-Montaigne, 1974.

SPINOZA. Éthique. Paris: GF Flammarion, 1965.

SPINOZA. Correspondencia. Madrid: Alianza Editorial, 1988.

Downloads

Publicado

2016-12-18

Como Citar

GALLINA, A. L. O conceito de “vontade” na ética de Espinosa. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 300–318, 2016. DOI: 10.31977/grirfi.v14i2.711. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/711. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos