Revisitando o início da racionalidade filosófico-científica

Autores

  • Giorgio Borghi Universidade Católica do Salvador (UCSal)

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v14i2.715

Palavras-chave:

: Física pré-socrática; Filosofia; Ciência.

Resumo

O presente artigo analisa a física pré-socrática como origem comum de filosofia e ciência, destacando que o esquecimento desta origem comum pode prejudicar tanto a filosofia como a ciência. A física pré-socrática envolve, em uma única busca, o que nos acostumamos a considerar como próprio da reflexão filosófica, e que tem uma dimensão essencialmente metafísica, e aquela investigação empírica que caracteriza o conhecimento científico. Mas a peculiaridade da física originária consiste na junção inextricável destas duas dimensões: antes da reflexão filosófica ser filosofia e da investigação empírica ser ciência, as duas foram, de forma nascente, "investigação sobre a physis". O aparecimento da racionalidade filosófico-científica na Grécia antiga é normalmente considerado como uma passagem (a) do mythos ao logos, (b) de elaborações mais ou menos fantasiosas à observação da realidade e (c) de uma visão religiosa à uma visão profana e laica do mundo e da vida. O artigo analisa criticamente estas três questões para poder detectar traços constitutivos do código genético comum à filosofia e ciência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giorgio Borghi, Universidade Católica do Salvador (UCSal)

Doutor em filosofia e professor da Universidade Católica do Salvador ( UCSal), Bahia – Brasil.

Referências

ALMEIDA, C. L. S. de. (2002). Hermenêutica e dialética: dos estudos platônicos ao encontro com Hegel. Porto Alegre: EDIPUCRS.

ARISTÓTELES. Metafísica Apud REALE, G. (2001). Ensaio introdutório, texto grego com tradução e comentário. Trad. M. Perine. São Paulo: Loyola.

BORNHEIM, G. A. (Org.). (2011). Os filósofos pré-socráticos. - 19ª ed. - São Paulo: Cultrix.

CABRAL, A. M. (2009). Heidegger e a destruição da ética. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; Mauad Editora.

HEIDEGGER, M. (1996). Conferências e escritos filosóficos. Trad. E. Stein. São Paulo: Nova Cultural.

HEIDEGGER, M. (2002). Ensaios e conferências. Trad. E. Carneiro Leão, G. Fogel, M. S. C. Schubach. - 2ª ed. - Petrópolis: Vozes.

JAEGER, W. (1979). Paidéia: a formação do homem grego. Trad. A. M. Parreira. São Paulo: Martins Fontes.

KOIKE, K. (1999). Aspectos da physis grega. Revista Perspectiva Filosófica – Vol. VI - n° 12, p. 165-178.

LAKS, A. (2013). Introdução à “filosofia pré-socrática”. Trad. Miriam C.D. Peixoto. São Paulo: Paulus.

MARCONDES, D. (2002). Iniciação à história da filosofia. Dos pré-socráticos a Wittgenstein. - 7ª ed. - Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

MORAIS, Regis de (Org.). (1988). As razões do mito. Campinas, São Paulo: Papirus.

NIETZSCHE. F. (s/d). A filosofia na idade trágica dos Gregos. Trad. R.R.Torres Filho. Lisboa: Edições 70.

PLATÃO. (2008). Carta VII. Trad. J.T. Santos e J. Maia Jr. Rio de Janeiro: Ed. PUC; São Paulo: Loyola.

POPPER, K. (2006). Conjecturas e refutações. Trad. B. Bettencourt. Coimbra: Almedina.

ROSA, C. A. de P. (2012). História da ciência: da antiguidade ao renascimento científico. ─ 2ª. ed. ─ Brasília: FUNAG.

SPINELLI, M. (2006). Questões fundamentais da filosofia grega. São Paulo: Loyola.

WEISCHEDEL, W. (2000). A escada dos fundos da filosofia. Trad. E. D. Gil. São Paulo: Angra.

ZAMBRANO, M. (1995). O homem e o divino. Trad. C. Rodrigues e A. Guerra. Lisboa: Relógio D’Água.

Downloads

Publicado

2016-12-18

Como Citar

BORGHI, G. Revisitando o início da racionalidade filosófico-científica. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 244–259, 2016. DOI: 10.31977/grirfi.v14i2.715. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/715. Acesso em: 26 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos