O hiato (in)transponível entre fatos e valores: uma abordagem a partir do realismo-cognitivo de Thomas Scanlon

Autores

  • Lucas Mateus Dalsotto Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v14i2.718

Palavras-chave:

Realismo-cognitivo; Dicotomia; Fato/Valor; Thomas Scanlon.

Resumo

No decorrer dos últimos três séculos desenvolveu-se em ética uma dicotomia entre fatos e valores cuja influência ainda hoje gera discussões. Nesse ensejo, a intenção deste artigo é propor, a partir do realismo-cognitivo de Scanlon, uma leitura alternativa a respeito dessa dicotomia estabelecida entre fatos e valores. Em geral, boa parte desse problema deve-se ao motivo de que as reivindicações do domínio normativo são muitas vezes avaliadas a partir da ótica da ciência (domínio não-normativo), isto é, da visão científica de mundo (scientific view of the world). Mas conforme buscarei sustentar, é preciso que o domínio normativo seja avaliado a partir dos padrões de seu próprio domínio cujo elemento básico é a relação ser uma razão para (being a reason for). Verdades normativas são irredutíveis na medida em que são determinadas por certos padrões de resposta dentro de um domínio específico em si mesmo, o que no campo normativo é realizado pela ideia de reivindicações normativas puras. Assim, partindo-se do pressuposto de que verdades normativas são irredutíveis e que, nesse caso, podem ser verdadeiras ou falsas, o melhor modo de compreendê-las é a partir da relação R (p, x, c, a), sendo p um fato, x um agente, c um conjunto de condições e circunstâncias e a uma ação ou atitude. A partir desse padrão constituído no interior do domínio normativo, a relação R estabelece que p é uma razão para um agente x realizar uma ação ou atitude a no conjunto de condições e circunstâncias c. se isto estiver certo, então, ao menos em termos normativos, o hiato entre fato/valor parece ser transponível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Mateus Dalsotto, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Rio Grande do Sul – Brasil.

Referências

HUME, David. Tratado da natureza humana. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

HUSSAIN, Nadeem J. Z.; SHAH, Nishi. Meta-ethics and its discontents: a case study of Korsgaard. In; BAGNOLI, Carla. Constructivism in Ethics. New York: Cambrigde University Press, 2013.

LONG, Roderick T. Draft on Hilary Putnam’s The Collapse of the Fact/Value Dichotomy and Other Essays. In: Reasons papers. N 28, Spring, 2006. p. 125-131.

MACINTYRE, Alasdair. Historia de la Etica. Buenos Aires: Editoria Paidos, 1970.

MACKIE, John. Ethics: inventing Right and Wrong. Harmondsworth: Penguin Books, 1977.

MARINHO, Maria. S. C. Hilary Putnam e a questão fato-valor. Princípios. Rio Grande do Norte, ano 04, nº 05 1997. p. 187-198.

NAGEL, Thomas. Igualdad y parcialidade. Barcelona: Paidós, 1996.

PUTNAM, Hilary. The collapse of the Fact/Value Dichotomy and Other Essays. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2004.

SCANLON, Thomas M. Contratualism and utilitarism. In: SEN, Amartya; WILLIAMS, Bernard (orgs). Utilitarism and beyond. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

SCANLON, Thomas M. What we owe to each other. Cambridge: Belknap Press of Harvard University Press, 1998.

SCANLON, Thomas M. Being realistic about reasons. Oxford: Oxford University Press, 2014.

SEARLE, John. Speech Acts: An essay in the Philosophy of Language. Cambridge: Cambridge University Press, 1969.

Downloads

Publicado

2016-12-18

Como Citar

DALSOTTO, L. M. O hiato (in)transponível entre fatos e valores: uma abordagem a partir do realismo-cognitivo de Thomas Scanlon. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 183–195, 2016. DOI: 10.31977/grirfi.v14i2.718. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/718. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos