Conhecimento científico e filosofia: uma discussão sobre o materialismo de identidade a partir da fenomenologia de Husserl

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v14i2.721

Palavras-chave:

Materialismo; Mente; Cérebro; Consciência; Neurociência.

Resumo

Na contemporaneidade, os debates na área da filosofia da mente no que tange ao cérebro e sua relação com a mente, predominantemente tem seguido os cânones da perspectiva materialista, representada pelas ciências empíricas, sobretudo pela neurociência. É tendo em vista esse tipo de abordagem, frente a um problema tão intrigante que, nesse artigo, pretendemos, por meio das categorias da fenomenologia de Husserl, analisar criticamente os argumentos de uma vertente do materialismo muito discutida no âmbito da filosofia da mente, a saber, o materialismo de identidade. Esse artigo encontra-se organizado e estruturado em torno de dois grandes momentos. Em primeiro lugar, o nosso objetivo consiste em demostrar quais são os aspectos mais relevantes que fundamentam as posições do materialismo de identidade no que diz respeito aos estudos sobre o problema mente e cérebro. Em seguida, a partir dos pressupostos teóricos da fenomenologia de Husserl, o nosso objetivo é demonstrar possíveis lacunas e inconsistências quanto a esse tipo de materialismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Aparecido Pereira, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Doutor em filosofia, professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR), Paraná – Brasil, do Programa de Pós-Graduação em Gestão do Conhecimento nas Organizações da UniCesumar e pesquisador do Instituto Cesumar de Ciência, Tecnologia e Inovação (ICETI).

Referências

CARNAP, R. Psicologia en lenguaje fisicalista, en A. J. Ayer (ed.), El positivismo lógico. México: Fondo de Cultura Económica, 1978, pp. 171- 204

CHURCHLAND, Paul. Eliminative materialism and the propositional Attitudes. In John Heil (ed.), Phylosophy of Mind: A guide and anthology. Oxford: Oxford Unversity Press, 2004, pp. 382-400

CHURCHLAND, Paul. Matéria e consciência – uma introdução contemporânea à filosofia da mente. Tradução: Maria Clara Cescato. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

HUSSERL, Edmund. A crise das ciências europeias e a Fenomenologia Transcendental. Paris: Gallimard, 1954.

_HUSSERL, Edmund. Ideias para uma fenomenologia pura e uma filosofia fenomenológica: introdução geral à fenomenologia pura. Tradução de Márcio Suzuki. Aparecida, SP: ideias & letras, 2006.

HUSSERL, Edmund. Meditações Cartesianas. S. Paulo: Ed. Madras, 2001.

MASLIN, K. T. Introdução à filosofia da mente. Porto Alegre: Artmed, 2009

MATTHEWS, Eric. Mente: conceitos-chaves em filosofia. Porto Alegre: Artmed, 2005

NAGEL, Thomas. Como é ser como um Morcego? Tradução: Paulo Abrantes. In: Cadernos de História da Filosofia da. Ciência. Campinas, Série 3, v. 15, n. 1, p. 245-262, jan.-jun. 2005.

PLACE, U. T. Is consciousness a brain-process? British Journal of Philosophy, 1956, pp. 44-50

REALE, Giovanni & ANTISERI, Dario. História da filosofia Vol. III. São Paulo: Paulus, 1991.

SMART, J. J. Sensations and brain-process, reiprinted in D.M. Rosenthal (ed.), The Nature of Mind, Oxford, Oxford University Press, 1991, pp. 169-176

TEIXIERA, João de Fernandes. A mente pós-evolutiva. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

TEIXIERA, João de Fernandes. Mente, cérebro e cognição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

Downloads

Publicado

2016-12-18

Como Citar

PEREIRA, J. A. Conhecimento científico e filosofia: uma discussão sobre o materialismo de identidade a partir da fenomenologia de Husserl. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 139–151, 2016. DOI: 10.31977/grirfi.v14i2.721. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/721. Acesso em: 26 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos