Um absoluto movente: considerações sobre monismo e pluralismo em Bergson

Palavras-chave: Bergson; Metafísca; Monismo; Pluralismo.

Resumo

A metafísica tradicional, conforme Henri Bergson (1859-1941), via de regra, imobiliza o real tendo por fundamento uma concepção estática do ser. Na contramão dos rastros deixados pelo kantismo, e opondo-se curiosamente à tradição, Bergson pretende recriar a metafísica como experiência imediata de um absoluto movente, a duração. De partida nos deparamos com um problema: em suas obras, a concepção de uma única duração reveste-se de uma aparente ambiguidade, afinal sua filosofia é conhecida por tratar de temas como multiplicidade, diferenças de natureza, continuidade, movimento, todos apontando para uma noção peculiar da realidade como criação. O suposto “monismo bergsoniano” guardaria, então, uma série de incompreensões e inconsistências, cujos textos do filósofo não teriam resolvido a contento e a literatura complementar, por sua vez, parece tratar o assunto insuficientemente. Assim, investigar a questão monismo/pluralismo no pensamento bergsoniano é algo central para a compreensão da proposta de uma nova metafísica. A partir da exegese de passagens da obra de 1907, A evolução criadora, discutiremos a compreensão da duração como totalidade, indagando até que ponto esta ideia remeteria ou não a uma visão monista do real. Afinal, uma leitura de Duração e simultaneidade (1922) deixou evidente para nós a defesa de uma duração absoluta, e, como vimos em Matéria e memória (1897), para Bergson, até mesmo a matéria dura. Mas até aí não se constata a tese monista, visto que a duração comporta vários fluxos e o próprio ensaio de 1922 se encarrega de esclarecer essa multiplicidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geovana da Paz Monteiro, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Doutora em Filosofia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador – BA, Brasil. Professora de Filosofia da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Amargosa – BA, Brasil.

Referências

BERGSON, H. Essai sur les donées immédiates de la conscience. [1889] Paris: Presses Universitaires de France/Quadrige, 2007.

BERGSON, H. Matéria e memória. [1897] São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BERGSON, H. A evolução criadora. [1907] São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BERGSON, H. L’évolution créatrice. [1907] Paris: Presses Universitaires de France/Quadrige, 2009.

BERGSON, H. Duração e simultaneidade. [1922] São Paulo: Martins Fontes, 2006a.

BERGSON, H. O pensamento e o movente. [1934] São Paulo: Martins Fontes, 2006.

CAPEK, M. Bergson and modern physics. Dordrecht/Boston: D. Reidel Publishing Company, 1971. (Boston studies in the Philosophy of science, vol. VII)

DE BROGLIE, L. Physique et Microphysique [Capítulo IX: “Les conceptions de la physique contemporaine et les idées de Bergson sur le temps et sur le mouvement”]. Paris: Ed. Albin Michel, 1947. (Coleção Sciences d’aujourd’hui)

DELEUZE, G. Bergsonismo. São Paulo: Editora 34, 1999 (Coleção TRANS).

DESCARTES, R. Princípios da Filosofia. Lisboa: Edições 70, 1997.

FRANÇOIS, A. Dossier critique. In: BERGSON, H. L’évolution créatrice. Paris: Presses Universitaires de France/Quadrige, 2009.

FRANÇOIS, A. Ce que Bergson entend par “monisme”. Bergson et Haeckel. In: WORMS, F e RIQUIER, C. (orgs). Lire Bergson. Paris: Presses Universitaires de France, 2011 (Quadrige manuels).

GOUHIER, H. Bergson et le Christ des Évangiles. Paris: Vrin, 1999.

JANKÉLÉVITCH, V. Henri Bergson. Paris: Presses Universitaires de France, 1975 (Col. Les Grands Penseurs).

MONTEBELLO, P. L’autre metaphysique. Paris: Desclée de Brower, 2003.

MONTEBELLO, P. “Differences de la nature et differences de nature”. In: VIEILLARD-BARON, J-L. (org.) Bergson: la nature at la durée. Paris: Presses Universitaires de France, 2004.

MONTEIRO, G. A medida do tempo: intuição e inteligência em Bergson. Salvador: Quarteto, 2012.

PINTO, D. M. “Bergson e os dualismos”. In: TRANS/FORM/AÇÃO, São Paulo, 27(1): 79-91, 2004.

RIOJA, A. “Biología, cosmología y filosfofía em Henri Bergson”. In: Los filósofos y la biología. THÉMATA. Núm. 20, 1998, p. 107-128.

Publicado
2018-12-16
Como Citar
MONTEIRO, G. Um absoluto movente: considerações sobre monismo e pluralismo em Bergson. Griot : Revista de Filosofia, v. 18, n. 2, p. 86-99, 16 dez. 2018.
Seção
Artigos