A escrita como autoformação e resistência: Foucault, Nietzsche e a criação de mundos e histórias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31977/grirfi.v19i1.995

Palavras-chave:

Autocriação; Escrita; Ficção; Foucault; Nietzsche; Resistência.

Resumo

A ficção corresponde a um estilo de escrita que sustenta a construção de narrativas capazes de arrancar o escritor de si mesmo em um sentido de, por meio do experimento da própria linguagem, constituir-se esteticamente. Quando observamos as obras de Nietzsche, percebemos que há uma pluralidade de estilos literários, compostos, frequentemente, por aforismos que demandam outro performático: a escrita hiperbólica. Por meio da escrita artística, Nietzsche cria um mundo compreendido como vontade de poder em que dá a si mesmo como personagem dentre outros tipos psicológicos. Já na filosofia de Foucault o traço marcante de suas obras é o tom histórico com o qual aborda seus temas. Porém, como o próprio afirma em algumas entrevistas, não escreve outra coisa que não sejam ficções, seleciona e organiza enunciados históricos criando diversos cenários, sujeitos e objetos de seu discurso. Este estilo presente em ambos entra em contato com o exterior provocando um reposicionamento do leitor, que é afetado promovendo, como efeito de subjetivação, um reposicionamento político de insubmissão de não querer mais ser governado dessa forma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Abilio Galvão, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Doutorado em Filosofia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro ( UERJ), Rio de Janeiro – RJ, Brasil. 

Downloads

Publicado

2019-02-28

Como Citar

GALVÃO, B. A. A escrita como autoformação e resistência: Foucault, Nietzsche e a criação de mundos e histórias. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 19, n. 1, p. 96-114, 2019. DOI: 10.31977/grirfi.v19i1.995. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/995. Acesso em: 13 ago. 2020.

Edição

Seção

Artigos